GUERREIRA DE MAGÉ NA SAPUCAÍ EM 2020

A trajetória de Maria da Conceição, mais conhecida como Maria Conga e considerada heroína de Magé, que por muitos anos lutou pelos direitos e ideais dos escravos será contada pela G.R.E.S Acadêmicos da Rocinha no maior espetáculo da Terra em 2020. E para auxiliar na parte histórica do enredo, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC) de Magé, convidou a agremiação para destacar a importância de Maria Conga e sua luta na cidade de Magé.

No encontro realizado nesta sexta-feira (6), o presidente Ronaldo Oliveira e o carnavalesco, Marcus Paulo, fecharam uma parceria cultural, onde a Prefeitura vai disponibilizar no primeiro momento, todos os registros históricos sobre a heroína e uma visita ao quilombo, no bairro da Piedade no primeiro distrito de Magé.

“Eu vi na internet que a escola ia contar a história de Maria Conga e entramos em contato com eles para conversarmos. Marcamos esta reunião e estamos muito felizes, porque eles vão falar sobre a história da nossa guerreira, Maria Conga, e nós enquanto Secretaria de Cultura estamos participando na primeira conversa. É uma grande honra para a gente ter mais uma vez um pouquinho da história de Magé na Sapucaí representada pela comunidade da Rocinha”, explicou Álison Brandão, secretária de Educação e Cultura e presidente da Fundação Educacional e Cultural de Magé.

O carnavalesco, Marcus Paulo, falou sobre como surgiu o enredo “A guerreira negra que dominou dois mundos”, que vai contar a trajetória de vida e importância de Maria Conga no mundo espiritual.

“É o meu traço profissional buscar sobre a história dos negros, que é muito difícil. A gente só descobre a história dos negros quando a gente tropeça por algum motivo, porque isso não é apresentado pra gente academicamente. Pesquisando um outro enredo no ano passado, me deparei com a história de Maria Conga e passei a pesquisar mais. Com todo esse material farto de Magé, consegui construir um enredo para contar a história dessa grande heroína”, disse Marcus.

Para o carnavalesco, o encontro com a SMEC foi essencial para o desenvolvimento histórico do enredo.

“Nas minhas pesquisas eu percebi que Magé é um município riquíssimo e que preserva a história negra como nenhum outro no Brasil. Isso me impressionou muito! Essa conversa com as pessoas que entendem sobre o assunto foi fundamental, porque ouvimos e absorvemos ao máximo as informações para levar para o meu trabalho. Já discutimos alguns planos interessantes, como por exemplo, uma leitura do desenho da Maria Conga que será feita pelas crianças do quilombo. Essas conversas sempre serão proveitosas e será um grande enredo, onde conta a história dessa grande guerreira, que será conhecida mundialmente”, ressaltou Marcus.

O presidente da agremiação ficou surpreso pelo contato da Prefeitura e agradeceu pelo apoio cultural.

“Foi uma grata surpresa esse contato com a Prefeitura de Magé, por meio da secretária de Cultura, que ficou sabendo do nosso enredo pela internet. É muito importante ter esse apoio, porque a gente sabe de todas as dificuldades para construir um desfile. Estou surpreso com a grandiosidade da homenageada em todos os sentidos. Estou feliz e esperançoso, porque a gente vai realizar um lindo trabalho. Esse encontro foi fantástico, já tivemos muitas ideias e não dá vontade de ir embora. São tantas ideias e hoje estamos conhecendo bem mais fundo da nossa homenageada que é considerada heroína de Magé”, disse Ronaldo Oliveira.

O carnavalesco garantiu que o enredo está sendo bem aceito pelos amantes do carnaval. “Todo o pessoal do Estado do Rio de Janeiro que gosta do carnaval curtiu muito nosso enredo. Está sendo bem falado. O samba quem está fazendo é o Claúdio Russo, ele tem nome no mercado. Magé ama carnaval, a Rocinha nem se fala. Então será uma grande festa e um grande enredo”, disse. Marcus complementou que tem certeza que Maria Conga vai dar o título para agremiação.

Fotos: Marcelo Dias

 



Deixe uma resposta