PROGRAMA DE CONTROLE DA HANSENÍASE E ESPOROTRICOSE DE MAGÉ ACOMPANHA 400 PACIENTES

O Janeiro Roxo é o mês de conscientização sobre a hanseníase, doença infectocontagiosa que atinge a pele e os nervos periféricos, principalmente nos olhos, mãos e pés. Magé conta com o Programa de Controle da Hanseníase e Esporotricose, que atende cerca de 400 pacientes atualmente.

“A hanseníase causa incapacidades físicas se não é feito o diagnóstico de forma precoce. Nosso ambulatório funciona como porta aberta, então os pacientes que tiverem suspeita de esporotricose ou hanseníase devem procurar o nosso serviço. Todas as manchas no corpo que apresentarem perda de sensibilidade precisam do diagnóstico que é feito através de um exame clínico dermatoneurológico”, explicou a médica do programa, Maria Paula.

O coordenador de Vigilância em Saúde de Magé, Daniel Martins, explicou como funciona o Programa. “O paciente com suspeita de hanseníase ou esporotricose vem até a unidade e no primeiro atendimento é realizada a avaliação clínica com a médica e caso necessário é encaminhado para nosso Laboratório Municipal para realizar o exame de baciloscopia e é medicado”, disse.

O tratamento se inicia com consulta médica, onde paciente já é encaminhado para realizar o exame de diagnóstico e pegar a medicação na farmácia do Programa. O paciente passa pelo acompanhamento com a assistente social, enfermeira e também com uma fisioterapeuta, que irá avaliar o grau de incapacidade física que a doença provocou.

O tratamento dura no mínimo seis meses, então ele retorna mensalmente para realizar o acompanhamento”, completou a coordenadora do Programa, Weima Peçanha.

O Programa de Controle da Hanseníase e Esporotricose funciona no prédio anexo ao Centro de Especialidades, localizado na Rua dos Expedicionários, 39, no Centro de Magé. O atendimento médico é feito toda segunda-feira a partir das 8h.

Fotos: Secom