PROGRAMA DE CONTROLE DA HANSENÍASE E ESPOROTRICOSE ESTÁ FUNCIONANDO COM AGENDA REDUZIDA

O Programa de Hanseníase e Esporotricose de Magé não interrompeu o atendimento durante a pandemia. Quem precisa de avaliação clínica, o polo funciona toda segunda-feira. Já quem precisa de dispensação de medicamentos e acompanhamento da equipe formada por assistente social, fisioterapeuta, enfermagem e apoio administrativo, os atendimentos são de segunda a sexta das 8h às 17h. A unidade fica na Rua dos Expedicionários, nº 39, ao lado do Centro de Especialidades de Magé, em frente a praça da banca do peixe.

Ambulatório de controle da hanseníase e esporotricose, ao lado do Centro de Especialidades de Magé

Assistente social do programa, Joelma Santos ressalta que para o sucesso do acompanhamento, é importante não interromper o tratamento pode durar de 6 meses a 1 ano, podendo ser estendido. “Na última segunda-feira, tivemos pelos menos 15 atendimentos. Pode parecer pouco, mas estamos fazendo uma busca ativa desses pacientes, através de articulação e trabalho em conjunto com as unidades da atenção básica, e com a dispensação de medicamentos através dos agentes comunitários e motoboys, para que o paciente que não precise comparecer na unidade e não fique tão exposto durante este período. Sem que interrompa o tratamento. Estamos seguindo as recomendações da Secretaria de Estado com o fornecimento de medicamentos para até dois meses e avaliando caso a caso”, explica a assistente social.

Ela ainda complementa que as atividades em grupo estão suspensas. Mas neste período de pandemia a unidade continua a avaliar e acompanhar casos novos e antigos, e realiza visitas em casos de emergência. É importante também um diagnóstico precoce e sem interrupção do tratamento para que não haja sequelas.

Casos novos de esporotricose durante a pandemia

Só neste período de quarentena, a unidade registrou 25 novos casos de esporotricose humana. Essa infecção ocorre, principalmente, pelo contato do fungo com a pele ou mucosa, por meio de trauma decorrente de acidentes com espinhos, palha ou lascas de madeira; contato com vegetais em decomposição; arranhões ou mordidas de animais doentes, sendo o gato o mais comum.

A auxiliar de limpeza, Cláudia Valério Bispo de 45 anos, é um desses novos casos e devido a suspeita de esporotricose, foi encaminhada pelo Hospital de Magé para a unidade. “Depois ter ser sido arranhada por um gato doente, surgiram alguns sintomas e devido à suspeita, fui encaminhada para esta unidade. O atendimento aqui é excelente, já estou passando por uma avaliação clínica e exames para iniciar o tratamento o mais rápido possível”, disse.

A Hanseníase tem cura. Quanto mais precoce ser detectada, maior eficiência terá o tratamento e menores serão as sequelas.

Texto: Philipe Campos