SABOR MAGEENSE NA FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO

SABOR MAGEENSE NA FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO
14 jun 2017

Aipim que faz sucesso na feira nordestina é fruto da agricultura familiar
Silvinho só tem 39 anos, mas há 23 anos está fornecendo aipim para a Feira de São Cristóvão e atende 90% dos barraqueiros. O famoso aipim com carne de sol tem o sabor da terra mageense, “a cada semana são três a quatro toneladas de aipim manteiga descascado que eu entrego, e ainda atendo 15 restaurantes da Zona Sul e Zona Norte do Rio”, afirma o agricultor que faz questão de comercializar o que planta.
Com uma área de 14 hectares, Silvinho José da Silva, hoje criou o próprio hortifruti dentro do pavilhão onde também vende cará, inhame, quiabo, jiló e milho verde, entre outros alimentos. Ele é um dos 1 mil agricultores familiares de Magé que estão empreendendo no campo:

— O caso do Silvinho é um perfil diferenciado. Muitos dos que passam a comercializar seus produtos, acabam se dedicando a isso. E ele não perde as origens de agricultor, aqui você vê um trabalho que está chegando na terceira geração. Ele é um empreendedor e ainda está gerando cerca de 30 vagas de emprego para beneficiar e agregar valor à sua produção, analisa o engenheiro agrônomo e chefe do escritório local da Emater-RJ em Magé, Edison Rodrigues.


Magé é o oitavo município do Rio de Janeiro em plantio de aipim com 261 hectares de cultivo da raiz, o equivalente a 261 campos de futebol, e o quarto no ranking estadual de faturamento, batendo a marca de R$ 8 milhões ao ano. Mas a posição que a cidade ocupa vai subir este ano, de acordo com o especialista. “Atualmente estamos na sexta posição em produção com 4.437 toneladas/ano, mas pela minha experiência aqui no município, em 2017 estaremos bem acima dessa marca”, justifica Edison.

O engenheiro acredita que o trabalho em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura Sustentável fez toda a diferença para o crescimento do setor. “Hoje temos um programa de assistência com técnicos e engenheiros, maquinário, preparo do solo, sistema de drenagem e orientação sobre os programas de financiamento e benefícios para a comunidade agrícola, que está fixando o homem do campo e trazendo de volta quem saiu para viver na zona urbana”.


Aipim de emergência

Silvinho começou quando o pai comprou um terreno na Cachoeira Grande, distrito agrícola de Magé, e disse: 
— Filho, comprei para você. Agora é contigo! – lembra o agricultor que hoje multiplicou o tamanho da área de cultivo e agora criou o aipim de emergência.

Vendo a dificuldade dos clientes que muitas vezes tinham o aipim descascado mas que demoraria a ficar cozido ou frito para revenda, Silvinho e o filho Rodrigo criaram o “aipim de emergência”, um pré cozido que rapidamente fica pronto. 

“Montei uma cozinha industrial e comecei com o pré cozido agora, estou tendo um bom resultado. Vendemos em embalagens de 1Kg e 2,5Kg, toda semana preparo de 500Kg a 700Kg com uma reserva para vender tanto em casa quanto os clientes da feira e dos restaurantes. Meu filho e minha mulher me ajudam”, conta orgulhoso.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *