AFERIÇÃO DE TAXÍMETRO 2020 PODE SER ACEITA NA VISTORIA ANUAL DE MAGÉ

Decisão foi tomada pelo município pela falta do Calendário 2021 do Ipem

Foto: Phelipe Santos

A Secretaria Municipal de Transporte de Magé informa que os 209 taxistas licenciados na cidade poderão circular este ano com a aferição do taxímetro emitida em 2020 pelo Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Rio de Janeiro (Ipem-RJ) e, inclusive, apresentá-lo na vistoria anual do município, uma vez que o órgão estadual ainda não divulgou o seu calendário 2021.

A vistoria anual dos táxis de Magé começa 1º e vai até 31 de março, na sede da Secretaria de Transportes, no bairro da Limeira, em Piabetá, com datas específicas e de acordo com o número das permissões, as chamadas autonomias.

De acordo com o secretário municipal de Transportes, Pablo Vasconcelos, a medida visa tranquilizar os taxistas de Magé. “Como o Ipem não divulgou ainda o seu cronograma deste ano e a aferição atualizada do taxímetro é um dos documentos que exigimos. Já decidimos que vamos aceitar o documento de 2020 caso o órgão estadual não disponibilize o serviço a tempo da realização da nossa vistoria”, disse argumentando ainda que “devido às normas sanitárias para a prestação dos serviços públicos de modo geral ainda estão muito condicionadas à pandemia”.

CALENDÁRIO E DOCUMENTOS – A primeira semana, ou seja, de 1° a 4 de março, a vistoria é para táxis, com número de permissão de 01 a 045. O restante do cronograma de vistoria segue assim: 046 a 090, de 07 a 11/3; 091 a 135, de 14 a 18/3; 136 a 180, de 21 a 25/3 e de 181 a 222, de 28 a 31/3.

A documentação para renovação da permissão é a seguinte:
cópias do comprovante de residência;
do último cartão expedido pela Semtran;
da CNH dentro do prazo de validade, constando atividade remunerada;
do CRVL 2020 ou 2021 e do seguro obrigatório – dentro do prazo de vistoria estabelecido pelo Detran-RJ – em nome do permissionário;
da quitação do ISS e do cartão de prestador de serviços autônomo expedido pela Secretaria Municipal de Fazenda;
certidões negativas criminais (federal e estadual);
atestado de saúde ocupacional;
comprovante de inscrição no INSS como contribuinte individual;
curso obrigatório de qualificação e certificados de verificação do taxímetro e de verificação GNV.

Fotos: Phelipe Santos