CAPS INFANTOJUVENIL COMPLETA TRÊS ANOS

O Centro realiza cerca de mil atendimentos às crianças e adolescentes por mês

O Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil – CAPSi completa três anos de funcionamento neste domingo (24). Desde 2017, o equipamento atende jovens e adolescentes com Transtorno do Espectro Autista, Transtornos Mentais Graves e Persistentes, ou que fazem uso de álcool e outros tipos de drogas.

“O objetivo do CAPSi é oferecer atendimento, realizar o acompanhamento clínico e promover a reinserção social dos seus usuários através do acesso e garantia dos seus direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários. Vale ressaltar que trabalhamos como porta de entrada, ou seja, o paciente não precisa de encaminhamento para aderir o tratamento”, contou a coordenadora do CAPSi, Andrea Costa.

O Centro conta com uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos, assistente social, psiquiatra, psicopedagoga, enfermeira, técnica de enfermagem, artesã e oficineiro.

A costureira Vanderléia Lopes, mãe do Valdemir Lopes, portador do Transtorno Mental Grave, agradece a equipe do CAPSi por todas as conquistas do seu filho.

“Antes de iniciar o tratamento no CAPSi, o meu filho parou no hospital na sala de psiquiatria e ficou amarrado durante um mês e 15 dias, quando voltamos para casa ele tentou se matar. Hoje, ele participa até das apresentações de Natal, e eu nunca pensei que meu filho ia pegar o microfone e cantar. Essa vitória e mérito dou para a equipe do CAPSi porque essa unidade é muito importante para mim e para o meu filho. Ele tem uma alegria e amor por todos que trabalham lá!”, afirmou a costureira.

O CAPSi também foi um diferencial para a vida do Miguel.

“A equipe do CAPSi é realmente maravilhosa! Cheguei sem perspectiva de qualquer progresso do meu filho, estava muito baixo astral mesmo. E, lá encontrei pessoas acolhedoras, que nos incentivam a lutar pelos nossos filhos. Com esse isolamento, o Miguel não está entendendo a situação e as terapias estão fazendo muita falta para ele. Só tenho que agradecer a toda equipe do CAPS Infatil, elas fazem toda a diferença em nossas vidas!”, contou a Alessandra Moura, mãe do Miguel.

“O CAPSi é um presente de Deus na minha vida. Nós chegamos com medo e dúvidas depois de sofrermos tantos preconceitos, e então eles ofereceram apoio tanto para nós, os responsáveis quanto para os nossos filhos”, disse a Jessica Cabral.

A coordenadora da unidade também explicou sobre o diferencial da unidade para o tratamento.

“O nosso diferencial é que não há um grupo para cada faixa etária, e sim um grupo que vai trabalhar diversas demandas, porque podemos ter um adolescente de 17 anos que possui uma mentalidade de oito anos, por exemplo. E com isso, nós atendemos de acordo com a demanda dele, oferecendo grupos terapêuticos dentro da unidade, ou podemos pedir apoio à rede, como a Casa Mageense de Cultura, que oferece curso de artesanato ou uma escolinha de futebol”, explicou a coordenadora do CAPSi.

Devido à pandemia do coronavírus, a equipe do CAPSi está realizando somente renovação de receita e atendimentos emergenciais com psicólogo e psiquiatra no Centro de Atenção Psicossocial Lidia Menezes, localizado na Flexeiras, de segunda à sexta, das 8h às 17h.

Fotos: Divulgação