GUIA DE PACOBAÍBA COMPLETA 167 ANOS COM DESAFIO DA REVITALIZAÇÃO

Primeira estação ferroviária do Brasil precisa de conservação. Prefeitura disponibilizou vigias e limpeza

Primeira estação ferroviária do Brasil e a terceira mais antiga da América Latina, Guia de Pacobaíba completa 167 anos com alguns desafios (FOTO: Phelipe Santos)

Um dos patrimônios históricos e culturais mais importantes de Magé, a estação ferroviária de Guia de Pacobaíba completa, nesta sexta-feira (30/04), 167 anos. É a mais antiga do Brasil, a terceira mais antiga da América Latina e o marco zero do desenvolvimento do país. Seu estado de conservação não é dos melhores, mas, desde o início de 2021, a Prefeitura vem conversando com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan, órgão do Governo federal que tem a tutela do local, para rever o Termo de Gestão Compartilhada assinado em 2014. Diretor do Departamento de Cultura da cidade, Alexsandro Rosa comenta que o plano de trabalho criado naquela época “perdeu a validade uma vez que o patrimônio não se encontra nas mesmas condições de então” e que, por isso, é preciso revê-lo. 

Mesmo assim, a Prefeitura arregaçou as mangas e criou um Grupo de Trabalho, com diversas secretarias, para discutir melhorias para Guia. Algumas dessas melhorias já são visíveis para quem visita o ponto turístico. Durante toda a semana, quatro vigias se revezam em turnos de 24 horas para cuidar do prédio e do entorno do patrimônio. Além disso, equipes de limpeza estão responsáveis pela conservação da localidade, mantendo a plataforma da estação e a réplica da maria-fumaça Baroneza limpas e fazendo a poda da grama e das árvores e a coleta de lixo. “A Secretaria de Educação e Cultura também tem a intenção de realizar possíveis ações educativas no espaço, tais como visitas guiadas com alunos da rede escolar, oficinas, museu de percurso e biblioteca”, anuncia Alexsandro.

Uma das preocupações das autoridades culturais de Magé é conseguir mobilizar os moradores de Mauá, onde fica Guia, e fazer deles agentes de preservação. “É importante a consolidação desse GT municipal junto ao Iphan. Pretendemos, com isso, trazer parcerias para cá, beneficiando a comunidade do entorno com a criação de espaços para atividades educativas e culturais”, informa a secretária de Educação e Cultura de Magé, Sandra Ramaldo. O prefeito Renato Cozzolino é outro entusiasta da revitalização e da geração de renda através do turismo: “Com a cultura e o turismo, a gente consegue amenizar a situação para as pessoas que estão desempregadas. É por isso que temos que reestruturar e devolver essa estação para a sociedade”.

Desenvolvimento

Um dos vigias que cuida do complexo ferroviário tombado em 1954 e que inclui ainda a casa dos agentes e o píer sobre a Baía de Guanabara, Ney de Souza Ferreira diz que está muito feliz por poder tomar conta de um patrimônio importante para a História. “Para qualquer morador de Mauá, é um privilégio saber que a primeira estação do Brasil está aqui. Para mim, é uma honra cuidar dela”, alegra-se. Ney conta que, nos finais de semana com sol, Guia chega a receber 150 visitantes por dia. São pessoas como a cabeleireira Jéssica Braga, que mora em Petrópolis. “Aqui é um lugar bonito que dá para relaxar e está muito bem conservado. A grama está bem cortada e o trem, que estava muito esquisitinho, foi pintado”, aponta.

Marco do início da história ferroviária no Brasil, a estação de Guia de Pacobaíba foi inaugurada em 30 de abril de 1854 e a inauguração contou com a presença do imperador D. Pedro II. Idealizada por Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, a malha que começava na antiga estação tinha 14,5 quilômetros, ligava Mauá a Fragoso e foi importante para a rota do ouro e de especiarias, além de meio de transporte para a Família Real. “O Complexo Ferroviário de Guia é de importância nacional, uma vez que representa um marco fundamental nos processos de industrialização e de urbanização brasileiros, possibilitando uma conexão mais efetiva com o interior”, finaliza Alexsandro.