MAGÉ VAI BUSCAR MEIOS JURÍDICOS PARA REABRIR ACESSO DA VILA RECREIO E NÃO PAGAR PEDÁGIO DA BR-116

Moradores fizeram manifestação na semana passada e já programaram outra ação para este sábado. (FOTO: Lucas Santos)

Rota alternativa era usada por moradores para não pagar o pedágio de R$ 19,30 da praça de Bongaba

O prefeito de Magé, Renato Cozzolino, disse, nesta sexta-feira (22/01), durante audiência pública da concessão da nova CRT, que pediu à Procuradoria Geral do Município para estudar meios jurídicos de reabrir o acesso do bairro Vila Recreio. A rota alternativa era usada por moradores de Magé para fugir da cobrança do pedágio da BR-116 em Bongaba. “Vim a essa audiência para alertar a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) sobre o sofrimento dos mageenses ao ter que pagar uma das taxas mais caras do Brasil, de R$ 19,30. Vou recorrer a todas as medidas judiciais possíveis para evitar que a população seja a mais penalizada”, comentou Renato. O acesso da Vila Recreio está fechado por uma decisão da Justiça de 2015.

Durante a audiência, a terceira sobre a concessão da nova Rodovia Rio-Valadares em apenas uma semana, Renato foi um dos 62 inscritos para falar. “Já tive a oportunidade de conversar com o ministro (da Infraestrutura) Tarcísio (de Freitas) sobre a retirada do pedágio em Bongaba. E ele concordou. Mas, para minha surpresa, a ANTT fala na instalação de uma nova praça em Suruí. Isso é inconcebível”, declarou o prefeito aos presentes, dentre eles o superintendente de Concessão da Infraestrutura substituto da agência, Marcelo Fonseca. O representante federal informou que o início da nova concessão deve ocorrer apenas em 2022, apesar do contrato antigo terminar em 21 de março de 2021. “Se o processo não estiver concluído, temos base legal para estender as discussões e os novos estudos por mais tempo”, sinalizou.

Nas três audiências realizadas, muitos moradores e representantes de Magé também se inscreveram para falar. A coordenadora pedagógica Keila Manso reclamou que sente, há anos, o custo de ter que pagar o pedágio para ir trabalhar. “A escola onde trabalho é depois de Bongaba e moro no Centro. E, como fecharam o acesso da Vila Recreio, preciso passar pelo pedágio diariamente”, comentou. Representante da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Magé (Aciama), Rômulo Nalin acredita que um novo pedágio em Suruí vai prejudicar ainda mais o desenvolvimento da região. “E não apenas isso. Um novo pedágio na divisa Guapi-Itaboraí também vai impactar Magé de forma negativa e espantar investimentos”, apontou. Muitos moradores comentaram que farão uma manifestação contra o pedágio em Suruí, neste sábado (23/01), às 16h.

Rodovia Rio-Valadares

Como a concessão da CRT de 25 anos para administrar o trecho de 142,5 quilômetros da BR-116, entre Saracuruna e Além Paraíba, termina em março de 2021, a ANTT vem realizando audiências públicas (processo número 11/2020) para debater com a sociedade a renovação desse processo. A nova concessão, que será de 30 anos, aumenta consideravelmente a área a ser administrada. A CRT passará a cuidar de 722 quilômetros de rodovias (BRs 116, 465 e 493), cortando 36 municípios de dois estados: Rio de Janeiro e Minas Gerais. Ao todo, segundo o superintendente substituto Marcelo Fonseca, serão R$ 8,6 bilhões de investimentos em duplicação de vias, sinalização, faixas adicionais e passarelas, dentre outros. A ANTT fala também na criação de um Desconto para Usuário Frequente, o DUF, muito criticado pelos maggenses, que, de forma geral, não cruzam o pedágio em carros particulares e sim em transporte público. “As empresas de ônibus aumentam a passagem por causa do valor alto do pedágio”, reforçou um morador.