ATENDIMENTO PARA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO EM MAGÉ AUMENTA 60% NA PANDEMIA

Psicóloga diz a ouvintes que pacientes apresentam sinais que indicam adoecimento mental

Cerca de 60 pessoas assistiram à palestra da Coordenadoria de Saúde Mental de Magé na UBS Nova Marília para falar do Setembro Amarelo e do aumento do número de atendimentos de prevenção ao suicídio na cidade (FOTO: Eduardo Campos)
Cerca de 60 pessoas estiveram, nesta quinta-feira (23/09), na Unidade Básica de Saúde (UBS) de Nova Marília, assistindo a uma palestra do Setembro Amarelo de prevenção ao suicídio. A plateia ouviu a coordenadora-técnica do Caps AD – Álcool e outras Drogas, a psicóloga Rafaela Botelho. Ela detalhou os sinais que costumam indicar a familiares e amigos que a pessoa está passando por problemas de saúde mental. Além de Rafaela, a coordenadora de Saúde Mental de Magé, Michelle Medeiros, apresentou dados sobre o suicídio na cidade. “A pandemia agravou a situação e as pessoas estão sofrendo mais. Em Magé, essa realidade fez a procura por atendimento aumentar 60%”, informou.
Michelle frisou que, desses registros, 90% eram preveníveis. “Essa campanha deve envolver toda a sociedade. É preciso estar atento e pronto para ouvir e ajudar”, completou. A psicóloga Rafaela fez questão de diferenciar a empatia e a simpatia para reforçar o cuidado com o outro: “A simpatia é ouvir alguém reclamar da vida e responder que é assim mesmo, que vai ficar tudo bem. Não houve conexão. Empatia é sentar do lado do outro e perguntar o que você pode fazer para ajudar”. Ela listou alguns sinais de adoecimento mental, como ansiedade, pânico, depressão e estresse pós-traumático, e alertou: “Fique atento quando alguém disser que está cansado da vida, que vai sumir, que não quer mais viver”.
A coordenadora de Saúde Mental também lembrou que a Prefeitura está usando toda a rede de acolhimento para diminuir o impacto do aumento da procura. “Estamos indo nas escolas, no Centro Pop, nas unidades 24h, nas USFs, para levar informação às pessoas. Foi como eu disse hoje: a informação salva vidas”, afirmou. “O suicídio é um tema tratado como tabu, mas que precisa ser falado, discutido. Ele é, hoje, a terceira causa de mortes de jovens em todo o Brasil”, salientou o secretário de Comunicação e Eventos, Bruno Lourenço, na abertura da palestra. Membro da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, o vereador Silmar Braga também esteve na UBS Nova Marília.
“Vivi isso”
Assim que terminou o evento, uma das ouvintes foi procurar a coordenadora Michelle para contar que estava passando por tudo que tinha sido dito na palestra. Ela confidenciou que uma das filhas começou a tomar atitudes estranhas, a usar drogas, a cortar o próprio braço e a dizer que queria sumir. “Minha família já passou por essa situação antes, quando um tio se matou por não aceitar o filho homossexual. É uma dor que nos acompanha há tempos. Agora, estou vivendo tudo de novo com a minha filha. Preciso de ajuda”, pediu ela, que não será identificada na reportagem. Michelle assegurou que a moradora e a família dela serão atendidas pela rede de acolhimento voltada ao cuidado da saúde mental em Magé.
Notícia anteriorMAGÉ TEM NOVO CALENDÁRIO DA DOSE DE REFORÇO PARA IDOSOS
Próxima notíciaMAGÉ RETOMA VACINAÇÃO EM ADOLESCENTES SEM COMORBIDADES