CONSCIÊNCIA NEGRA: AMBULATÓRIO DE DOENÇAS FALCIFORMES ESTÁ VISITANDO OS QUILOMBOS

80% dos casos de anemia falciforme acometem a população negra. Em Magé, foram 42 atendimentos em 2021

No Mês da Consciência Negra, um dos serviços mais importantes em Saúde da cidade é o Ambulatório de Doenças Falciformes, que fica no Centro de Magé. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a anemia falciforme é uma doença que acomete, majoritariamente, a população negra. Coordenadora do programa do ambulatório na Secretaria Municipal de Saúde, Izabel Cristina comentou que 80% dos casos de anemia falciforme têm sido registrados entre os afro-brasileiros. “É uma doença genética que veio para o Brasil com a chegada do povo negro escravizado. Ela altera a hemoglobina no sangue. É pouco conhecida e discriminada. Há médicos que ainda não têm informação sobre ela”, explicou Izabel, durante atendimento para a população do quilombo Maria Conga.

Em outubro, o ambulatório tem realizado atendimentos itinerantes nos três quilombos de Magé: Feital, Quilombá e Maria Conga. O objetivo principal das responsáveis pelo serviço é identificar, entre a população negra, principalmente, sintomas e traços da doença. A coordenadora do programa disse que as pessoas costumam chegar nos hospitais apresentando reações características, como dores fortes no corpo, cansaço e úlceras que não saram. “Mesmo assim, muitos médicos ainda não pedem os exames para anemia falciforme. Ainda bem que, hoje em dia, o teste do pezinho já indica, nos pequenos, a doença ou traços dela”, informou Izabel, que descobriu apenas com 50 anos que tinha os traços da doença e poderia ter passado para seus filhos.

Parceiro na divulgação desse serviço itinerante, o secretário Municipal de Comunicação e Eventos, Bruno Lourenço, acompanhou os serviços ofertados à população do quilombo Maria Conga: “A Secretaria de Saúde nos trouxe a informação que a população negra é a mais vulnerável às doenças falciformes. Em função disso, a gente sugeriu e foi feita uma agenda de visita às populações quilombolas da cidade”. De acordo com a coordenadora Izabel, mais de 100 pessoas têm a doença em Magé, 162 estão cadastradas com algum traço e 42 atendimentos foram realizados esse ano apenas para anemia falciforme.

Atendimento

Além do serviço que tem ido aos quilombos, o ambulatório funciona de segunda a sexta, das 8h às 17h, na Rua Pio XII, 35, no Centro. Lá, os pacientes passam por uma consulta e têm à disposição hematologista, clínico geral, pediatra, assistente social e transporte gratuito para traslado até o HemoRio. No atendimento durante o Social + Presente na Quadra da Vila Nova, no último dia 18 de novembro, duas moradoras do Maria Conga procuraram o estande do ambulatório para tirar dúvidas. Líder da comunidade quilombola, Yasmine Alfredique, 26, teve casos na família e, por isso, marcou uma consulta. A dona de casa Patrícia dos Santos, 56, agendou um dia para levar a neta de cinco anos para ser atendida no ambulatório na próxima semana.

Notícia anteriorSECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA APOIA EVENTO DE VALORIZAÇÃO DA CULTURA NEGRA
Próxima notíciaDEFESA CIVIL REALIZA OPERAÇÃO PARA DESOBSTRUIR PASSAGEM NA SERRA VELHA APÓS QUEDA DE ÁRVORE