Com 18 novos pluviômetros, a Defesa Civil se reestruturou não só no espaço físico, mas também na capacitação profissional. Hoje, localizado na Avenida Benjamin Constant, a secretaria não tinha sequer uma sede física para atuar. Além dos móveis doados pelo tribunal de contas, a pasta está restaurando a picape que é de extrema importância para situações de emergência em locais alagados e remotos.

“Encontramos a Secretaria Municipal de Proteção e Defesa Civil de Magé completamente desestruturada e nosso primeiro desafio foi desenvolver condições mínimas de trabalho para os nossos agentes, nesses seis meses de governo avançamos em nossa reestruturação, porém ainda temos muito trabalho para chegarmos em nosso objetivo. Nossa secretaria possui como missão se tornar modelo de boas ações no cenário municipal, através de ações de preparação, suporte e resposta aos munícipes mageenses ao longo dos próximos anos,” conta o subsecretário da Defesa Civil, Gilber Camara.

Os funcionários participaram de estudos de proposição de soluções para diminuir o risco de inundações no bairro Buraco da Onça, além de visitas técnicas ao Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (CEMADEN-RJ), ao Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) e ao radar meteorológico da Força Aérea Brasileira, localizado no Pico do Couto, em Petrópolis. Os pontos críticos foram identificados para a criação de um plano de contingência que foi apresentado ao prefeito Renato Cozzolino.

No período mais agudo da pandemia de Coronavírus, a Defesa Civil coordenou a Operação Verão que restringiu a entrada em massa nas cachoeiras, em conjunto com a Secretaria de Segurança, Meio Ambiente e Esporte, Turismo, Lazer e Terceira Idade. O próximo passo a ser aplicado é a automação dos processos internos.

 

Notícia anterior6 MESES DE GOVERNO: MAGÉ, UMA CIDADE REPLETA DE OBRAS
Próxima notíciaVOTAÇÃO POPULAR DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE MAGÉ COMEÇA SEGUNDA (26)