MAGÉ REALIZA 2ª ETAPA DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA FEBRE AFTOSA

Imunização acontece durante o mês de novembro em mais de 140 propriedades rurais  

A Secretaria de Agricultura Sustentável de Magé realiza, durante todo este mês de novembro, a 2ª etapa da campanha anual obrigatória de bovinos e bubalinos (búfalos) contra a febre aftosa. Segundo a Secretaria, a meta é imunizar os 100% de animais distribuídos em mais de 140 pequenas propriedades rurais da cidade como ocorreu na 1ª fase e deixou o município em primeiro lugar neste tipo de imunização entre todos os municípios do Estado do Rio do Janeiro.

“Conseguimos vacinar, de forma gratuita, 3.962 animais em 141 propriedades cadastradas e auxiliamos também grandes criadores de gado e de búfalos, donos de outros 5 mil animais, na aplicação da vacina comprada por eles. Mas se houver ainda outras pequenas propriedades que não estejam cadastradas, vamos vacinar também”, assegurou o secretário municipal de Agricultura Sustentável, André Castilho, informando ainda que nesta 2ª fase só são vacinados animais de até dois anos.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Agricultura, a febre aftosa ainda não está totalmente erradicada no Rio de Janeiro. Mas um único novo caso compromete todo o rebanho do Rio, ou seja, nenhuma carne pode ser comercializada dentro e para fora do território do Estado se houver algum registro de animal contaminado com a doença. Ainda de acordo com a Secretaria Estadual, se a meta mínima de 90% de imunização for ultrapassada, a obrigatoriedade da vacinação pode até ser extinta, representando assim redução de custos e ampliação do mercado de exportação, uma vez que muitos países não compram carnes de animais vacinados.

RISCOS DA DOENÇA – A febre aftosa é uma doença viral altamente contagiosa que afeta gado bovino, búfalos, caprinos, ovinos e suínos. Os sintomas são febre e aparecimento de vesículas (aftas), principalmente na boca e pés dos animais. O vírus está presente nas aftas, além do sangue, saliva, leite, urina e fezes dos animais, podendo ser contraído por contato direto com outros animais infectados, alimentos e objetos contaminados, como mãos, roupas, calçados e veículos.

Fotos: Gilson Jr. e Lucas Santos

Notícia anteriorLISTA DE APROVADOS PARA TREINAR NAS CATEGORIAS DE BASE FLAMENGO
Próxima notíciaPREFEITURA COMEÇA OBRAS DE RECAPEAMENTO DA RUA CEARÁ, NO SEXTO DISTRITO