MAGÉ DÁ O PONTAPÉ PARA INVENTÁRIO DOS SEUS PATRIMÔNIOS CULTURAIS

Trabalho envolverá técnicos da Prefeitura, professores e estudantes da UFRRJ e moradores da cidade

 

O conjunto do patrimônio histórico, artístico e cultural de Magé será conhecido em sua plenitude. Após a assinatura da cooperação técnica entre o prefeito Renato Cozzolino e representantes da Universidade Federal Rural do Estado do Rio (UFRRJ), foi celebrado o acordo formal para o inventário participativo, nesta quinta-feira (24-03), com o encontro entre os técnicos do Departamento de Cultura (Depac), ligado à Secretaria Municipal de Educação e Cultura, e professores do Programa de Mestrado de Patrimônio Cultural da UFRRJ, campus Nova Iguaçu. O evento foi realizado em um dos principais patrimônios históricos da cidade, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Piedade, datada de 1750.

Segundo a secretária municipal de Educação e Cultura, Sandra Ramaldo, o objetivo do levantamento é atualizar o único inventário realizado até então, na década de 1980.

“A diferença do trabalho atual é que serão acrescentados bens/expressões culturais de referência além das europeias, como quilombos, quadrilhas juninas, folias de Reis, entre outros, não contemplados no inventário anterior”, explicou a secretária.

O diretor do Depac, Alexsandro Rosa, também destacou o aspecto participativo do inventário atual como o nome diz.

“Quem vai colaborar para legitimar, por exemplo, que a Folia de Reis é  um patrimônio cultural na nossa cidade não será apenas o poder público ou as instituições, mas os chamados ‘intérpretes’, pessoas que não têm formação acadêmica mas a vivência e a leitura  do patrimônio”,  justificou.

Para a professora da UFRRJ, Isabela Fogaça, a expectativa é grande para realizar o trabalho em Magé.

“Nossa expectativa é muito positiva, uma vez que este inventário será executado por pessoas aqui do município. Nós, da universidade, estamos organizando um material de preparação da equipe, integrada por agentes culturais, professores, líderes comunitários. Desta forma, vamos alcançar o que realmente tem valor cultural para a população”, revelou a professora de Turismo.

Etapas – Todo o trabalho envolverá a produção de conteúdos pelo grupo de professores e alunos da UFRRJ, convocação e formação de voluntários e a coleta de dados (mapeamento histórico, artístico e cultural em si). O resultado deve ser divulgado até o final deste ano.

Restauração – Durante o encontro, o padre Leonardo Rezende realizou uma visita guiada à Igreja Matriz e uma palestra para o grupo sobre a restauração dos altares que começou em 2018 e deve levar, pelo menos, mais cinco anos. O imóvel histórico realiza atualmente apenas casamentos, batizados e eventos especiais.

Fotos: Gilson Jr.

 

Notícia anteriorESTADO PREPARA CARTÃO RECOMEÇAR PARA VÍTIMAS DAS CHUVAS EM MAGÉ
Próxima notíciaESCOLAS DE MAGÉ PARTICIPAM DA CAMPANHA 21 DIAS CONTRA A DISCRIMINAÇÃO RACIAL