ESCOLAS DE MAGÉ PARTICIPAM DA CAMPANHA 21 DIAS CONTRA A DISCRIMINAÇÃO RACIAL

A Rede Municipal de Ensino de Magé, através da Coordenação de Promoção de Igualdade Étnico-Racial e Diversidade (COPIED), se mobilizou para realizar ações na campanha dos 21 dias contra a discriminação racial. O evento ofereceu contação de histórias com protagonismo negro positivo, literatura afro-referenciada para educação infantil, lives e rodas de conversa, além da implementação das Disciplinas Diversificadas (Ensino de História da cultura africana, afro-brasileira e indígena) no currículo dos anos finais.

“As ações da COPIED são perenes e não pontuais, voltadas para todas as Unidades Escolares da rede, desde a Educação Infantil, passando por todo Ensino Fundamental até a EJA. O combate à intolerância e discriminação começa com políticas antidiscriminatórias, é um projeto político para toda a rede municipal. É um esforço coletivo de todo o Departamento de Ensino. A superação do racismo em nossa sociedade é uma tarefa de todos!’’ ressaltou a coordenadora da COPIED, Kirce Bermute que divide a coordenação com Gustavo Leite.

A campanha dos 21 dias de ativismo contra o racismo nasceu há cinco anos na cidade do Rio e já é realizada atualmente em várias partes do país. A ideia da campanha surgiu a partir do Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 21 de março, por conta da morte de 69 pessoas num protesto contra o regime racista na África do Sul nesta data, em 1960. A repressão brutal do regime Apartheid ficou conhecido como “Massacre de Shaperville” e deixou ainda outras 186 pessoas feridas.

 

POLÍTICAS PÚBLICAS CONTRA A DISCRIMINAÇÃO RACIAL NA EDUCAÇÃO DE MAGÉ

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura conta com uma coordenadoria para a promoção de igualdade étnico-racial e diversidade ligada diretamente à educação básica. As unidades têm três Disciplinas Diversificadas, e uma delas é a disciplina de Ensino da Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena na grade curricular anual.

“Nosso compromisso é uma política pública voltada para a superação das desigualdades, poucos são os municípios que dispõem de um dispositivo legal específico para isso. Criamos uma matéria especifica para conscientizar as crianças desde a base, mas não é tarefa exclusiva do professor das diversificadas, é um movimento coletivo, interdisciplinar. Os docentes não ficam de fora porque não adianta implementar a disciplina sem dar subsidio pedagógico para os professores, por isso, oferecemos curso de formação continuada para eles”, explica o coordenador Gustavo Leite

O Passe Livre Universitário distribuído contempla até 700 jovens e, segundo a coordenadora, também é uma forma de combater as desigualdades.

Não adianta a política de cotas inserir o negro na universidade se não for possível ele se manter, por isso o passe livre é tão importante. É preciso entender as desigualdades em suas diferentes dimensões. O racismo é estrutural no Brasil e eliminá-lo é mexer na base. Muitos que estão sentados na cadeira do privilégio há gerações não querem mudar esse cenário. Não é só uma questão de reparação histórica, é de justiça”, finaliza Kirce.

 

DESIGUALDADE EM NÚMEROS

Os dados retirados do atlas de violência de 2019 apontam que a chance de uma pessoa negra ser assassinada no Brasil é 2,6 vezes maior do que uma pessoa não negra. A taxa de homicídios por 100 mil habitantes negros no Brasil em 2019 foi de 29,2, enquanto a da soma dos amarelos, brancos e indígenas foi de 11,2.

A primeira lei, de 14 de janeiro de 1837 que garantia acesso à educação no Rio de Janeiro excluía até mesmo os ‘negros libertos’: “São proibidos de frequentar as escolas públicas: 1º: pessoas que padecem de moléstias contagiosas. 2º: os escravos e os pretos africanos, ainda que sejam livres ou libertos”.

Os reflexos da história são vistos ainda nos dias de hoje. A presença de negros (pretos e pardos) cresceu 10 pontos percentuais nos últimos 10 anos, porém a diferença nos índices ainda é grande, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. 55% dos negros não concluíram o ensino médio, entre os brancos este número cai para 43,4%. O número de evasão reflete no quantitativo de anos estudados, 8,6 entre os negros, em média, e 10,4 entre brancos.

 

Notícia anteriorMAGÉ DÁ O PONTAPÉ PARA INVENTÁRIO DOS SEUS PATRIMÔNIOS CULTURAIS
Próxima notíciaMAIS DE 300 ESTUDANTES RECEBEM O PASSE LIVRE UNIVERSITÁRIO