MAGÉ SE MOBILIZA NO DIA MUNDIAL DE COMBATE ÀS HEPATITES VIRAIS

Cerca de 400 testes da doença foram realizados na Tenda 24h de Piabetá

[responsivevoice_button voice="Brazilian Portuguese Female" buttontext="Ouvir"]

Cerca de 400 testes foram realizados na Super Tenda 24 horas, em Piabetá, nesta quarta-feira (28-07), como parte das atividades do Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais em Magé para evitar a cadeia de transmissão da doença, como explicou o coordenador em Vigilância em Saúde, Daniel Paz.

“É extremamente importante o diagnóstico precoce porque o vírus da hepatite pode ficar anos sem apresentar causas ou sintomas mas provocando danos ao fígado. Então, o quanto antes a pessoa tiver o diagnóstico, ela inicia o tratamento e, automaticamente, quebra a cadeia de transmissão. O tratamento precoce também impede que o fígado sofra algum processo inflamatório grave, como por exemplo a cirrose hepática, causada pelo vírus a longo prazo no organismo”, explicou Daniel Paz.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, José Carlos Oliveira, Magé já oferece, na rotina de atendimento à população, a testagem da hepatite em 41 USFs, assim como o tratamento completo com remédio e exames específicos no Programa de IST/Aids, ao lado do Hospital Municipal de Magé.

“Nós desburocratizamos o atendimento e, após o diagnóstico positivo, o paciente é encaminhado ao Programa IST para o tratamento que dura 12 semanas. A população precisa ficar atenta, pois a hepatite é uma doença perigosa”, disse o secretário.

Muita gente, como a técnica de enfermagem Sueli de Almeida, aproveitou a ida à Tenda 24h para vacinação contra a Covid-19 para participar da campanha de testagem da hepatite.

“Vim com meu esposo para ele ser vacinado contra a Covid, fiquei sabendo do teste da hepatite e resolvi fazer. É importante. Ainda mais eu que sou profissional de saúde, trabalho com vidas e preciso me prevenir. Não só seu mas acho que todas as pessoas”, disse Sueli.

A rede municipal de saúde de Magé atende atualmente 37 pacientes com a doença, que tem cinco tipos de A a E. Os mais comuns são a B e a C, que podem ser transmitidos sexualmente e através de objetos perfurantes ou cortantes, como seringas e alicates de unha ou até mesmo por uso compartilhado de escova de dente.

Fotos: Gilson Jr

Notícia anteriorVITÓRIA RÉGIA É A PRIMEIRA RUA ASFALTADA PELO NOVO GOVERNO EM SURUÍ
Próxima notíciaMAGÉ NA LUTA PARA COMBATER O SUB-REGISTRO