PROJETO CADASTRA 509 FAMÍLIAS PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM RAIZ DA SERRA

UFF também apresentou para a Prefeitura e para os moradores plano urbanístico do bairro

[responsivevoice_button voice="Brazilian Portuguese Female" buttontext="Ouvir"]

Um grupo de moradores de Raiz da Serra acompanhou, na tarde desta quinta-feira (16/12), a apresentação do projeto Ações de Regularização Fundiária em Comunidades de Baixa Renda em Municípios do Estado do Rio de Janeiro. Coordenado pelo professor titular da Universidade Federal Fluminense (UFF) Carlos Guanziroli, o encontro, no auditório da Secretaria de Educação, no Centro de Magé, teve o objetivo de mostrar para a população o plano urbanístico (Reurb) da Vila Inhomirim. Na abertura, o secretário de Habitação e Urbanismo de Magé, Marcus Pencai, disse que a região tem recebido atenção especial da administração municipal: “Também vamos construir uma vila olímpica no entorno, trazendo mais qualidade de vida e saúde para a população”.

Guanziroli acrescentou que a apresentação do plano urbanístico é a segunda fase do projeto. Na primeira, os técnicos da UFF passaram cinco meses visitando a comunidade para diagnosticar as necessidades locais. Ao todo, 509 famílias foram cadastradas e deverão receber, na terceira fase, o título de propriedade de seus lotes. “Hoje, temos em torno de 1,2 milhão de habitações irregulares no país. O nosso projeto visa a diminuir uma luta que dura anos. Na Vila Inhomirim, tem famílias que esperam 35 anos pela posse do terreno”, esclareceu. Além do professor, o arquiteto e urbanista Cláudio Crispim, o geógrafo Marcelo Lemes e o engenheiro ambiental Miguel Bustamante participaram da apresentação.

O Reurb preparado pela UFF para Raiz da Serra inclui, dentre outras coisas, uma linha de micro-ônibus circular na comunidade, uma agência dos correios, uma estação de tratamento de esgoto, uma rede de abastecimento de água e um centro cultural. “Ficamos muito satisfeitos com o que foi apresentado aqui. Gostaríamos apenas de pedir às autoridades que discutam também a volta do trem que vinha de Piabetá e que muita gente utilizava para ir para o trabalho”, lembrou o presidente da Associação de Moradores, Amigos e Pequenos Produtores de Raiz da Serra, Celso Luiz. Outro dado interessante do estudo feito pela universidade mostrou que 60% das famílias que vivem na região, que equivale a 160 campos de futebol, são comandados por mulheres.

Reurb

O projeto de regularização fundiária é executado pela UFF com apoio financeiro do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDE) e tem parceria com a Prefeitura de Magé, a Companhia Estadual de Habitação (Cehab-RJ) e o Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio. O trabalho já foi realizado em outros municípios, como Niterói, Itaboraí, Maricá, São Gonçalo e Rio de Janeiro. O professor Guanziroli acredita que, dentro de mais seis meses, as obras de reurbanização tenham início e os moradores comecem a receber o título de posse. “O projeto tem custo zero para o município e, com a regularização, os mageenses poderão negociar os imóveis, que ficarão valorizados, virando um ativo econômico”, finalizou o secretário de Governo de Magé, Vinicius Cozzolino.

(Foto:Phelipe Santos)

Notícia anteriorMAGÉ OFERECE OFICINA GRATUITA DE ÁRVORE DE NATAL COM REAPROVEITAMENTO DE MATERIAIS 
Próxima notíciaGOVERNO DO ESTADO DÁ INÍCIO À REVITALIZAÇÃO DA ESTRADA DA SERRA VELHA