CONSELHEIROS TUTELARES DE MAGÉ GANHAM AUMENTO SALARIAL EM DIA COMEMORATIVO

São dez funcionários em dois conselhos tutelares, zelando pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

Um bate-papo franco, emocionado e cheio de histórias marcou a entrevista com sete dos dez conselheiros tutelares de Magé. Nesta quinta-feira (18/11), as homenagens vão para eles. Instituído pela Lei 11.622, de 19 de dezembro de 2007, o Dia Nacional dos Conselheiros Tutelares – 18 de novembro – mobiliza os funcionários do setor em todo o país e, especialmente, nos dois conselhos da cidade, um no Centro do primeiro distrito e outro em Piabetá. “É um dos trabalhos mais nobres que temos na Prefeitura. São tão necessários que, depois de dez anos, receberão, em meu Governo, o reconhecimento que merecem. Vou conceder a eles o aumento que tanto reivindicam e precisam”, declarou o prefeito Renato Cozzolino.

Em 2021, os conselhos tutelares mageenses realizaram 500 novos atendimentos e expediram 1.055 ofícios para instituições que compõem o sistema de garantia de direitos. Desse total, 70% referem-se a conflitos familiares, como esclarece o conselheiro Carlos Alberto Júnior. Dos 30% restantes, 10% estão relacionados com automutilação e tentativa de suicídio. Evasão escolar e abandono de incapaz respondem por 8% dos atendimentos. “É muito triste ter que trabalhar com tais números e precisar convencer a população que não somos um órgão de repressão, mas, sim, de proteção”, frisa. Carlos atribui à pandemia uma piora nos conflitos: “na maior parte das vezes, o perigo está dentro de casa”.

Além dele, apenas outro homem, Valdeci Cândido, é conselheiro em Magé. A maioria dos conselheiros é mulher e elas contam que sofrem em dobro. “Temos que lidar com situações gritantes como os casos de abuso sexual de meninas. Muitas vezes, acontece de sermos recebidas pelos abusadores de faca em punho, querendo nos intimidar”, admite Alcinete Azevedo. “Já tive que sair de lugares correndo porque soltaram os cachorros em cima de mim literalmente”, completa Simone Sardinha. Ela revela, emocionada, que já pensou em desistir quando precisou convencer uma adolescente, por telefone, a não se enforcar.

Satisfação

A tensão e o estresse marcam o dia a dia dos conselheiros. Rosemari Bernardo de Oliveira tem feito terapia para lidar melhor com a dura realidade de quem é guardião do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Uma função que exige um esforço e tanto desde o início, mas que também é gratificante. “Quando encontro uma mãe e ela me abraça dizendo que está tudo certo com a sua família não tem preço”, diz a conselheira Rosiene Bernardes. Para ser conselheiro, é preciso participar de um processo similar ao eleitoral, fiscalizado pelo Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente (CMDCA). Tem até prova de aferição de conhecimento sobre o ECA.

Em todo o país, há 30.000 conselheiros tutelares. “Os conselheiros promovem a garantia dos direitos das crianças e dos adolescentes. Sem o Conselho Tutelar, o trabalho da Assistência não teria tanto sucesso. Queria agradecer pelo trabalho excepcional que eles fazem”, declara a secretária Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, Flávia Gomes. Além de Carlos, Simone, Alcinete, Valdeci, Rosemari e Rosiene, também são conselheiros tutelares em Magé Mariza Furtonato, Clara Souza, Andréa Guedes e Nanci Nunes.

– Conselho Tutelar I: Rua Domingos Belize, 241, no Centro de Magé. Tel.: 2633-0932. Das 8h às 18h.

– Conselho Tutelar II: Rua Mário Brito, 128, em Piabetá. Tel.: 2633-3125. Das 8h às 18h.

Notícia anteriorNOVO SERVIÇO “ALÔ SAÚDE” DE MAGÉ ATENDE À POPULAÇÃO 24H POR DIA
Próxima notíciaINFRAESTRUTURA FINALIZA QUARTA RUA ASFALTADA NA BARBUDA