GMs DE MAGÉ SÃO SENSIBILIZADOS PARA ACOLHER MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DE GÊNERO

Capacitação começou nesta segunda-feira (30-08), na Escola Municipal Denise Malinosky

O lema “Em briga de marido e mulher, eu salvo a mulher” também vai passar a ser seguido pelos 48 guardas municipais de Magé, em sua esmagadora maioria formada por homens. Os agentes começaram a participar, nesta segunda-feira (30-08), na Escola Municipal Denise Malinosky, da capacitação promovida pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos para sensibilizar o contingente a acolher as mulheres vítimas de violência de gênero. O evento, que segue nesta terça-feira (31) para outro grupo de guardas municipais, faz parte do encerramento do “Agosto Lilás” no município.

Para o secretário municipal de Segurança Pública, sargento Antonio Lopes, os guardas municipais terão condições de agir em relação à violência contra as mulheres, a partir das palestras da promotora Érika Puppin, da 2ª Promotoria de Justiça de Magé e do sargento Leandro Driusso, da Patrulha Maria da Penha, do 34º BPM (Magé).

“Este evento foi muito importante, pois os guardas viram aqui como se inicia uma violência contra a mulher e poderão, a partir de agora, perceber se está acontecendo algum crime quando virem algum homem conversando com uma mulher de forma mais áspera e levar o agressor para a delegacia”, disse o secretário.

Os palestrantes também destacaram a importância de capacitar os guardas municipais para coibir a violência contra as mulheres.

“Este trabalho é fundamental no cumprimento da Lei Maria da Penha, que prevê a capacitação continuada dos agentes de Segurança Pública na contenção da violência contra a mulher. Por isso é extremamente importante que eles estejam capacitados para acolher as vítimas e encaminhar para o tratamento adequado da Assistência Social, da polícia e da Justiça”, explicou a promotora.

“Esta integração de todos nós, Polícia Militar, Prefeitura e Justiça, é essencial para maximizar os resultados na nossa cidade. Estou muito satisfeito de participar desta capacitação e transmitir a mensagem e nossa experiência de combate à violência contra a mulher”, disse o sargento Driusso.

A secretária municipal de Assistência Social, Flávia Gomes, destacou a importância de desconstruir o conceito generalizado do machismo, base da violência de gênero.

“Nós sabemos como esta questão do machismo foi historicamente construída mas é preciso que os homens entendam que isto não cabe mais. Nós, mulheres, somos detentoras de direitos constitucionais como os homens. Então, eles precisam desconstruir a falsa superioridade para a gente acabar com a desigualdade de gênero e a violência contra a mulher”, ressaltou a secretária.

A primeira-dama do Município, Lara Torres, também participou do evento e parabenizou a equipe da Secretaria Municipal de Assistência Social. A primeira-dama já anunciou que Magé vai ganhar o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam), em outubro. A unidade para acolher e atender as mulheres vítimas de violência, com diversos serviços e em espaço exclusivo, vai funcionar no CRAS de Piabetá, ao lado da 66° DP.

Números – Os dados mais recentes de 2019 (relativos a crimes de 2018) do Dossiê Mulher, documento do Instituto de Segurança Pública (ISP) que mapeia os dados oficiais da violência contra a mulher no Estado do Rio de Janeiro, apontam que 1.023 mulheres sofreram lesão corporal em Magé e Guapimirim e outras 777 foram ameaçadas pelos crimes caracterizados como violência de gênero. Vinte e uma foram vítimas de tentativa de feminicídio e cinco foram assassinadas nas duas cidades juntas, que fazem parte da Área Integrada de Segurança Pública (AISP) 34.

Fotos – Gilson Jr

Notícia anteriorPROCON MAGÉ REALIZA AÇÃO EDUCATIVA COMO ALERTA AO DIA NACIONAL DE COMBATE AO FUMO
Próxima notíciaPREFEITURA REALIZA DISCUSSÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA EM MAGÉ