MACRODRENAGEM NA SIMÃO DA MOTTA: FIM DAS ENCHENTES NO CENTRO DE MAGÉ

As poças de água e as enchentes estão com os dias contados no Centro de Magé. A Secretaria Municipal de Infraestrutura começou, na quarta-feira (09/03), uma intervenção na região, para a colocação de 120 metros de rede de macrodrenagem na Rua Simão da Motta e para a sondagem (investigação geotécnica) de 100 metros de solo na Rua Paulo Teixeira dos Santos. Para o prefeito de Magé, Renato Cozzolino, essa é uma obra muito importante. “Temos passado por fortes chuvas na região e um dos bolsões de água que mais preocupa é o da Simão da Motta. Com a obra, temos tudo para dar fim às enchentes no Centro”, declarou.

No início dos trabalhos, uma retroescavadeira abriu um buraco na Simão da Motta, na curva em frente ao posto Shell desativado. O trânsito teve que ser desviado e o secretário Municipal de Infraestrutura, Marcos Pereira, pediu à Secretaria de Segurança e Ordem Pública apoio. “É uma obra emblemática que deve ficar pronta em até 15 dias. Só para ter uma ideia, esse trecho da Simão da Motta até o Bradesco não tem um ralo sequer. Vamos fazer a rede com manilhas de 600 mm”, afirmou.

Coordenador de Trânsito da Guarda Municipal, Sidnei Soares contou que seis agentes deram suporte às mudanças do tráfego nos primeiros dias. “Tivemos que mudar um ponto de lugar, já que os ônibus e vans que vão para Niterói e para o Rio foram desviados, seguindo pela Rua do Fórum (Rua Domingos Belize)”, disse. Com isso, os veículos que fazem o contorno da Praça Nilo Peçanha, a praça da Prefeitura, para acessar a Rua Simão da Motta em direção ao Hotel Vagalume tiveram que mudar o trajeto. Ônibus, vans e carros particulares passaram a seguir pela Rua do Fórum.

Já os que vêm do Hotel Vagalume em direção à praça continuam, por enquanto, seguindo, normalmente, pela Simão da Motta. Quando a obra avançar nos próximos dias, esse tráfego será desviado para outras ruas do entorno. O ponto de ônibus da Praça Nilo Peçanha não foi completamente desativado, mas os passageiros que quiserem ir para o Rio, Niterói e Itaboraí, por exemplo, devem pegar o coletivo em frente ao Fórum.

Rodo e vassoura 

Com horário para chegar na escola onde trabalha como professora do ensino infantil, Thayene Larrubia, 25, aguardava o ônibus para ir para Caneca Fina. Ela observava a obra com a esperança de ver resolvido o problema das enchentes. “A água da chuva cobriu os meus pés aqui na rua uma vez. Espero que essa obra dê fim às dores de cabeça que as cheias representam para os moradores”, declarou ela, que mora na Barbuda em uma rua que já foi asfaltada pelo atual governo.

Auxiliar de serviços gerais em um escritório na Praça Nilo Peçanha, Eliane Gonçalves, 49, usou uma vassoura e um rodo para escoar as águas da chuva que invadiram seu local de trabalho. “Tenho esperança que essa obra vai dar um jeito nisso”, finalizou.

(Fotos: Lucas Santos)

Notícia anteriorIDOSOS VÃO RECEBER A QUARTA DOSE DA COVID-19 EM MAGÉ
Próxima notíciaMAGÉ INAUGURA POLO DO CADÚNICO TOTALMENTE REFORMADO E AMPLIADO EM PIABETÁ