MAGÉ AJUDA PRODUTORES NA COMPRA DE MUDAS DE PALMITO

Ação faz parte da meta de transformar o município na ‘Cidade do Palmito’

A Prefeitura de Magé, através da Secretaria Municipal de Agricultura Sustentável, e em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), reuniu um grupo de 28 produtores para viabilizar a compra coletiva de 18 mil mudas de palmito pupunha e, assim, baratear o custo de produção. Esta é uma das medidas para transformar o município na “Cidade do Palmito”, como anunciou o prefeito Renato Cozzolino há cerca de uma semana, durante o lançamento do programa “Alimentando com Amor”, no distrito agrícola do Rio do Ouro.

Segundo o secretário municipal de Agricultura, André Castilho, a iniciativa representou uma economia de 150% para os produtores de palmito pupunha de Magé.

“A ideia de reunir os produtores na compra coletiva representou um incentivo enorme para eles, uma vez cada muda saiu a R$ 1,50 o valor unitário. Se cada um deles comprasse isoladamente, pagaria R$ 3,60 por muda. Além das mudas, também ajudamos a baratear o custos do frete e vamos organizar também a compra conjunta de adubo, calcário, esteio para cerca e arame. Tudo isto para seguir a meta de transformar Magé na ‘Cidade do Palmito’, conforme orientação do prefeito Renato Cozzolino”, explicou o secretário informando ainda que a Secretaria e a Emater vão oferecer outros serviços gratuitos, como estudo de análise do solo e assistência técnica de engenheiros agrônomos aos produtores.

Como não poderia ser diferente, os produtores estão muito satisfeitos com o apoio e incentivo ao cultivo do palmito em suas propriedades.

“Foi uma economia maravilhosa e ideal para a gente. No meu caso, de cerca de 2,3 mil”, disse Ailton Firmino de Souza que adquiriu 1.100 mudas.

Segundo dados da Emater de produção agrícola de 2020, Magé é o maior produtor de palmito pupunha da Baixada Fluminense e o terceiro no Estado do Rio, perdendo apenas para Angra dos Reis e Paraty, respectivamente, que têm grandes produtores e produzem este tipo de cultura há muito mais tempo. Magé tinha, no ano passado, 29 produtores de palmito cadastrados no banco de dados da Emater, com uma produção de mais de três toneladas e faturamento de mais de R$ 1 milhão.

“O palmito é muito importante para Magé porque é uma nova cadeia de produção agrícola, além da olericultura e da fruticultura. Este apoio da Prefeitura e o trabalho conjunto com gente só vão gerar grandes avanços porque há muita procura para o plantio do palmito no município. Essa ideia de transformar Magé na ‘Cidade do Palmito’ é maravilhosa, e os números de produção provam que isto é possível”, disse o supervisor da Emater em Magé, Edison Cruz.

Notícia anteriorVACINAÇÃO CONTRA GRIPE É AMPLIADA PARA PÚBLICO A PARTIR DE 6 MESES
Próxima notíciaÉ FAKE: SECRETÁRIO DE SEGURANÇA NÃO PEDIU EXONERAÇÃO