PREFEITO CONFERE INÍCIO DAS OBRAS DE DRENAGEM DE RUAS NA VILA ESPERANÇA

Manilhas serão instaladas em 1.600 metros de vias que sofreram com chuvas há 20 anos

As enchentes que duram mais de duas décadas na Vila Esperança estão prestes a se tornar uma lembrança amarga do passado. A Prefeitura de Magé começou as obras de macrodrenagem em quatro ruas do bairro: Alvorada, Pierre Medawar, João Henot e Obalarim (FOTO: Lucas Santos)

Duas décadas de enchentes estão prestes a sumir ralo abaixo na Vila Esperança, no primeiro distrito. A Prefeitura de Magé começou, nesta quinta-feira (14/10), as obras de drenagem em 1.600 metros da Avenida Alvorada e das ruas Pierre Medawar, João Paulo Henot e Obalarim. O prefeito Renato Cozzolino esteve no bairro e falou sobre as ações que pretendem acabar com as tragédias provocadas pelas fortes chuvas. “Os moradores me cobram essa obra desde o início do ano. Aqui, quando chove, as ruas ficam todas inundadas e eu já estou preocupado com a chegada do verão”, anunciou Renato, que prometeu obras idênticas em outras áreas ao redor do Centro da  cidade.

Quem acompanhou o prefeito nesta vistoria foi o secretário Municipal de Infraestrutura, Marcos Pereira. Ele garantiu que, além das obras de drenagem nas quatro ruas, a Prefeitura também vai executar obras de urbanização em toda a Vila Esperança, com pavimentação e instalação de meios-fios. “O bairro sofre com enchentes crônicas há muitos anos. Além da drenagem, vamos trazer para cá obras de urbanização com pavimentação que deverão durar cerca de 12 meses”, declarou. Para as obras que se iniciaram nesta quinta, todo o material – cerca de 1.200 manilhas – já se encontra à disposição da Secretaria de Infraestrutura e já está sendo instalado em trecho da Avenida Alvorada.

A assistente administrativa Mônica Pereira, 50, precisou fazer obras em sua casa para não sofrer mais com as enchentes. “Tive que aumentar a estrutura da minha casa para que a água não entrasse mais. Antes, sofri muito com a perda de eletrodomésticos”, relembrou. Dono de um bar na Alvorada, o comerciante João Francisco, 64, perdeu a conta de quantas vezes precisou fechar o estabelecimento por conta das chuvas. “Desce muita água do cemitério (Cemitério 2) e ela acaba entrando em todas as casas ao longo da via”, queixou-se. Mãe de um jovem com deficiência, Lúcia Helena dos Santos, 51, que mora na Rua Obalarim, disse que, quando chove muito, tem problemas para sair de casa para trabalhar e para levar o filho para o atendimento médico.

Notícia anteriorDOSE DE REFORÇO PARA IDOSOS CHEGA PARA QUEM TEM 64 ANOS OU MAIS NA PRÓXIMA SEGUNDA (18)
Próxima notíciaPARQUE NATURAL MUNICIPAL BARÃO DE MAUÁ COMPLETA NOVE ANOS COM EVENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL