PROJETO LITERÁRIO ANTIRRACISTA DE ESCOLA MAGEENSE GANHA PRÊMIO NA ALERJ

Alunos da Escola Evanir da Silva Gago participaram de atividades educativas com contos de Conceição Evaristo

[responsivevoice_button voice="Brazilian Portuguese Female" buttontext="Ouvir"]

O projeto literário “ESCREVIVENDO com Conceição Evaristo – Rumo a uma Educação Antirracista” foi um dos escolhidos para receber o prêmio Paulo Freire, entregue, pelo terceiro ano, pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A iniciativa de realizar oficinas literárias com alunos da oitava série utilizando contos da escritora mineira partiu da professora Jéssica Gralato, que dá aulas na Escola Municipal Evanir da Silva Gago, em Andorinhas. “Através da disseminação de narrativas do cotidiano, as atividades reflexivas e problematizadoras propostas durante as rodas de leitura buscaram promover o combate ao racismo, à discriminação e à violência que vigoram dentro e fora da escola”, disse a idealizadora do projeto.

As oficinas literárias consistiram em oportunizar momentos de leitura, reflexão e crítica acerca de temas como pobreza, racismo, desigualdade social e preconceito. Ao trazer para dentro da sala de aula contos dos livros “Olhos d’Água” e “Histórias de Leves Enganos e Parecenças”, de Conceição Evaristo, a professora Jéssica acredita ter contribuído para a reflexão dos educandos no que diz respeito à resistência negra e à discriminação racial e social. Ela comentou ainda que houve outros pontos importantes do projeto que precisam ser citados: análise de livros paradidáticos que trazem o negro como protagonista e visitas ao Quilombo Feital e a pontos turísticos de Magé, além da análise de músicas como o rap “Minha Rapunzel tem Dread”, de MC Sophia, e “Eu Sou”, de WD.

Jéssica divulgou que, como último passo do projeto, a escola realizará um piquenique literário para o compartilhamento das produções narrativas criadas pelos alunos. “Pretendo montar um livro de contos com essas produções para disponibilizá-lo na biblioteca da nossa escola”, confidenciou. O Prêmio Paulo Freire enaltece iniciativas pedagógicas de docentes, de escolas e universidades públicas e de educação popular, foi criado em 2018 e reconhece um dos maiores educadores do país e patrono da Educação Brasileira. Os projetos puderam ser inscritos em dez categorias. Desde a primeira edição, 107 estratégias pedagógicas já foram reconhecidas pela Comissão de Educação da Alerj.

Notícia anteriorDEFESA CIVIL REALIZA SIMULADO DE EVACUAÇÃO EM ESCOLAS
Próxima notíciaMAGÉ É PREMIADO PELO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS