TÉCNICOS ENCONTRAM PONTO DE CONTAMINAÇÃO DE RIO EM SANTO ALEIXO

Ação contou com a participação de funcionários do Inea. População deve evitar consumir água do local

A erosão causou a queda de um barranco em um local de difícil acesso na mata dentro do terreno da usina hidrelétrica Unidas, em Santo Aleixo, e fez com que uma quantidade grande de barro chegasse ao Rio Santo Aleixo. A situação provocou mudanças na cor da água e assustou os moradores, que costumam se banhar no Poço da Macumba, no bairro de Pau a Pique, e usar a água para cozinhar e até mesmo para beber. Nesta terça-feira (18/01), técnicos e guardas da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Magé foram ao local averiguar as denúncias de contaminação junto com funcionários do Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Eles constataram que as causas do acidente foram naturais e, provocadas pelas fortes chuvas que atingiram a região nos últimos dias.

De acordo com o comandante da Guarda Ambiental de Magé, William Ferreira, o desabamento de uma encosta causou a contaminação por material argiloso de um córrego que desagua no Rio Santo Aleixo. Ele aproveitou para fazer um alerta: “Cabe ressaltar que a população evite utilizar a água para qualquer tipo de consumo durante os próximos dias até que esse material (barrento) se dissipe”. Administrador do Centro de Geração Hidrelétrica Andorinhas II da Fábrica Unidas, Carlos Henrique França levou os fiscais até o ponto exato do desmoronamento que causou a contaminação. “Na semana passada, quando chegamos para trabalhar, percebemos que o rio estava visivelmente marrom. Recebemos denúncias da população e decidimos averiguar. Assim, chegamos ao barranco que desabou”, revelou.

Dois técnicos da Equipe de Emergência do Inea acompanharam os fiscais da SMMA até o ponto do desmoronamento. Eles declararam que levarão os fatos ao setor do instituto responsável pela coleta de amostras de material contaminado para que seja decidido, nos próximos dias, se haverá ou não necessidade de captar água do córrego para análise. Moradores de Pau a Pique, que preferiram não se identificar, disseram que a situação que tem causado a coloração alaranjada na água persiste por cinco dias. “A gente tem tido dificuldade de usar essa água para cozinhar e para beber. Com isso, estamos comprando água para o consumo”, revelou um deles. A Prefeitura vai continuar monitorando a situação no local para evitar maiores problemas para a população.

(Fotos: Lucas Santos)

Notícia anteriorMAGÉ PROMOVE PALESTRAS GRATUITAS PARA MICROEMPREENDEDORES
Próxima notíciaIPTU 2022 JÁ ESTÁ DISPONÍVEL COM POSSIBILIDADE DE PAGAMENTO VIA PIX