15 de maio: Dia do Assistente Social

A comemoração do Dia do Assistente Social tem sido diferente nesses tempos de pandemia, não só pelo uso das máscaras e do distanciamento social no tradicional café da tarde que a Prefeitura realiza, mas também em como estão sendo as experiências e desafios de trabalhar nesta área durante uma pandemia. Com a presença do prefeito Renato Cozzolino, da primeira-dama Lara Torres, e da secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Flávia Gomes, a roda de conversa foi aberta.

“A gente sempre foi a ponte entre o paciente e o médico. Durante a pandemia, nós viramos mais ainda. De tanto falar com a população assistida, viramos amigos da família” contou a assistente social da Secretaria de Saúde de Magé, Luidia Duncan. “Este vírus não é democrático, como dizem. Ele afeta principalmente a classe trabalhadora. Quem sofre mais é quem está no ônibus todo dia, no metrô, entregando comida. A classe trabalhadora tem cor: são principalmente os pretos e pobres. Vi muitos idosos adoecendo. No corpo de bombeiros tenho seis colegas afastados por psiquiatria”, revelou a responsável do serviço social e Assistente Social do Município do Rio de Janeiro e capitã do Corpo de Bombeiros, Danielle França.

O prefeito Renato Cozzolino também deu seu ponto de vista quanto a importância da pasta em seu governo: “Assistência Social tem tudo a ver com a nossa gestão, é a nossa marca”, quando foi interrompido pela primeira-dama que exclamou “eu falo com Renato que, além de Educação e Saúde, a Assistência também é prioridade”.

Entre risos e aplausos, o prefeito seguiu com a análise. “Cada um de vocês sabem a importância que tem uma cesta básica para uma família que não tem almoço e uma janta em casa. A gente sabe a dificuldade que é. Eu quero parabenizar vocês. A tarefa vai ser árdua por conta da pandemia, mas quero que vocês contem comigo”, finalizou.

Segundo pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em fevereiro deste ano, há desigualdades relativas à testagem, letalidade e óbito de acordo com a renda, cor de pele, escolaridade da população e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos municípios. O estudo mostra que, quanto menor a escolaridade maior chance de morte pelo vírus e revela também que a taxa de letalidade é de 79% entre não-brancos e 56% entre brancos. Lugares com IDH baixo tiveram 38,3% de cura e 61,7% de morte, já os municípios com IDH muito alto, apresentam 67,1% de cura, contra 32,9% de morte.

 

Notícia anteriorCHAMADA EXTRA DO PROCESSO SELETIVO DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE MAGÉ
Próxima notíciaMAGÉ REALIZA II SEMANA DE MEIO AMBIENTE EM JUNHO