JANEIRO BRANCO: MAGÉ PROMOVE AÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO NA PRÓXIMA QUARTA (18)

[responsivevoice_button voice="Brazilian Portuguese Female" buttontext="Ouvir"]

“A vida pede equilíbrio”! É com esse slogan que Magé está levantando a bandeira da “Campanha Janeiro Branco”, que conscientiza e reforça a importância com os cuidados da saúde emocional. Na próxima quarta-feira (18), a Secretaria Municipal de Saúde realiza uma ação de conscientização, a partir das 9h, no Complexo de Saúde Mental, que fica na Rua Hilda Portela, nº 165, na Flexeiras. O evento é aberto ao público e terá roda de conversa, palestra, orientações, encaminhamentos, oficina temática, embelezamento, massagem, apresentação musical dos pacientes e encerramento com baile, o “Se pirar a gente cuida”.

“Nós cuidamos durante todo o ano daqueles que precisam dos atendimentos psicossociais, mas em janeiro frisamos a importância desse cuidado com a campanha janeiro branco. Nós teremos uma ação municipal para chamar atenção da população sobre esse cuidado e será um dia recheado de atividades estratégicas”, explica a coordenadora de Saúde Mental, Michelle Medeiros.

Magé tem uma rede que trata especificamente da saúde mental formada pelos Centros de Atenção Psicossocial: CAPS AD – Álcool e outras Drogas, CAPS II Lídia Menezes, CAPS III de Piabetá e CAPS Infantojuvenil. As unidades são formadas por equipes multiprofissionais, que realizam atividades coletivas e individuais, além de tratamento médico.

“Qualquer pessoa pode procurar ajuda nos centros de atenção psicossocial. Basta procurar a unidade e solicitar o acolhimento que o processo de avaliação multiprofissional iniciará. As equipes multiprofissionais são compostas por psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros, técnicos de Enfermagem, terapeutas ocupacionais, psicopedagogas, educadores físicos, médicos psiquiatras, oficineiros, farmacêuticos e apoio”, detalha Michelle Medeiros.

Notícia anteriorMAGÉ MARCA PRESENÇA NO LANÇAMENTO DO PROJETO VERÃO #TÔNORIO
Próxima notíciaINSCRIÇÕES PRORROGADAS PARA O CONSELHO DE POLÍTICA CULTURAL