MAGÉ ENCERRA VACINAÇÃO CONTRA FEBRE AFTOSA IMUNIZANDO 100% DO REBANHO

Nova campanha acontece em novembro. Secretário também falou do Curral Municipal

Com um evento no Haras Rodrigues, em Canela Preta, Mauá, a Prefeitura de Magé encerrou, neste sábado (26/06), a primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa em 2021. O secretário Municipal de Agricultura Sustentável, André Castilho, informou que a imunização, que durou um mês e meio e terá uma segunda etapa em novembro, foi um sucesso e o número de propriedades atendidas chegou a 100%. “No ano passado, foi vacinado o rebanho de 62 propriedades. Agora, chegamos às 141 propriedades de todo o município, aplicando a vacina de forma gratuita em 3.962 animais. Os grandes criadores de gado e de búfalos, que são donos de outros 5 mil animais, também receberam nosso auxílio para a aplicação da vacina comprada por eles”, assegurou.

Na cerimônia de encerramento, o diretor de Pecuária da Secretaria, João Fraga, comentou que o último surto de febre aftosa no Estado do Rio ocorreu em 1997 e teve Magé como um dos focos. “De lá para cá, é muito importante que a gente não descuide, pois um único animal com a doença pode contaminar todo o resto e prejudicar toda a cadeia produtiva”, frisou. Representante da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) em Magé, Edison Rodrigues Cruz disse que o Governo do Estado, junto com o Ministério da Agricultura, tem feito de tudo para transformar o território fluminense em uma “zona livre da febre aftosa”. “Estamos buscando um índice vacinal de 90% no estado. Magé está dando exemplo com índices de 99,9%, atingidos com um esforço supremo”, comemorou.

Proprietários de animais na cidade, os empresários Joel Rodrigues e Carlos Amaral participaram do encerramento e agradeceram o secretário André pelo empenho em vacinar o rebanho mageense. “Além de criar cavalos, também tenho umas cabeças de gado e foi muito importante ter todo o suporte da Prefeitura para imunizar os meus animais”, garantiu Rodrigues. Já Amaral, dono do Haras Cafezal, não tem bois e nem búfalos, mas os seus cavalos foram vacinados contra a raiva. “As campanhas são muito importantes para que os animais de Magé sejam saudáveis. O meu haras fica próximo de uma área com muitos morcegos que transmitem a raiva. Por isso, essa campanha também é primordial”, salientou.

Curral municipal

Além da preocupação com a febre aftosa e a raiva, o secretário André Castilho confidenciou que pretende livrar os equinos de Magé da anemia infecciosa, um vírus sem cura transmitido através de um mosquito popularmente conhecido como mutuca. “Hoje, temos cerca de 200 cavalos soltos pelas ruas da cidade. Além de representar um perigo para a população, pois os animais podem causar acidentes de trânsito, tem mais essa doença que pode atingi-los”, comentou. Ele pretende criar um Curral Municipal, em área a ser definida, para que esses cavalos e outros animais abandonados possam ser acolhidos. “Vou conversar com o prefeito Renato (Cozzolino) e levar a ele essa ideia”, revelou.

 

 

Notícia anteriorESTADO ENTREGA CARTEIRA NACIONAL DO ARTESÃO EM MAGÉ
Próxima notícia2ª DOSE DE CORONAVAC EM 14 POLOS DE VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19 NESTA SEGUNDA (28)