DIA DO SERVIDOR: NILCÉA ENTROU NA PREFEITURA DE MAGÉ NA 2ª GUERRA MUNDIAL

Aos 96 anos, aposentada atribui lucidez ao fato de ter trabalhado com números boa parte da vida

Dona Nilcéa é a servidora pública mais antiga da cidade de Magé. Começou a trabalhar na Prefeitura aos 16 anos, em 1941, quando o mundo passava pela Segunda Guerra Mundial. Hoje, está aposentada (FOTO: Fabrício Gava)

A aposentada Nilcéa Maria Ullmann tem 96 anos e é a servidora pública mais antiga de Magé. Ela trabalhou por três décadas na Prefeitura, onde, faz questão de dizer, realizou de tudo um pouco: de lavar o chão do hospital da cidade a chefiar o setor de Contabilidade, passando pela função de secretária do prefeito. “Não tive estudo, mas percebi a oportunidade que foi conseguir aquele emprego. Eu olhava os outros fazendo e aprendia rápido para poder fazer o mesmo”, conta. Dona Nilcéa começou seu trabalho na administração pública aos 16 anos, em 1941, em plena Segunda Guerra Mundial. “Os tempos eram outros e não precisava de concurso para trabalhar na Prefeitura”, salienta.

Ela deixou o serviço público em 1971, mas não parou de trabalhar. “Foi o ano em que minha mãe morreu de câncer e passei a me dedicar mais a cuidar do meu pai”, relembra a servidora, que não casou e nem teve filhos. Mesmo com o pai doente após a morte da mãe, Dona Nilcéa decidiu arranjar novas fontes de renda. Primeiro, foi trabalhar na loja de uma amiga. Depois, voltou para o Hospital de Magé, mas, dessa vez, para atuar no gabinete da direção. Dos tempos como servidora da Prefeitura, ela garante que ainda tem amigos e, com eles, encontra-se às vezes para um papo. “Hoje, por conta do (corona)vírus, saio pouco de casa, mas, antes, eu me reunia com pessoas que trabalharam comigo quando eu chefiava a Contabilidade”, afirma.

A esses dias lidando com os números, ela atribui a boa memória. E a quatro outros fatores: comer caranguejo, beber cerveja, dormir cedo (por volta das 19:40) e tomar um mingau quente antes de ir para a cama. Avessa à tecnologia, a servidora aposentada não possui celular: “não tem como revelar a foto”, e não imagina como seria o cotidiano de seu trabalho com o computador. “Gosto mesmo é do rádio e da TV para ouvir as orações e torcer para o meu Flamengo”, brinca. Quando não está acompanhando os jogos do rubro-negro, Dona Nilcéa gosta de bordar e de exercitar a caligrafia. Ela preenche folhas com os nomes de seus familiares e as datas de nascimento, ao lado de uma estrela; falecimento, ao lado de uma cruz; e casamento, ao lado de um coração, de cada um.

Se tivesse que dar um conselho aos jovens funcionários públicos, a mais antiga servidora de Magé diria o seguinte: “Seja organizado, dedique-se ao trabalho e cumpra as ordens de seus superiores da melhor maneira que puder”.

Notícia anteriorCANTA MAGÉ: 45 VOZES FORAM CLASSIFICADAS PARA A PRÓXIMA FASE
Próxima notíciaARTESÃOS DE MAGÉ RECEBEM CERTIFICADOS DE CAPACITAÇÃO DO SEBRAE