OBRAS DE INFRAESTRUTURA AVANÇAM NA RUA VITÓRIA, NO BAIRRO DA PIEDADE

Via, que já recebeu 300 metros de manilhamento, será pavimentada com toneladas de asfalto

O bairro da Piedade já teve quatro ruas pavimentadas e drenadas e, agora, volta a receber os funcionários e as máquinas da Prefeitura de Magé para uma nova força-tarefa. Dessa vez, os olhos estão voltados para a Rua Vitória (FOTO: Phelipe Santos)

Um bairro histórico que estava completamente abandonado. Dessa forma, o prefeito de Magé, Renato Cozzolino, descrevia a Piedade no início do seu governo. Agora, com quatro ruas já asfaltadas, rede de drenagem instalada e outras intervenções acontecendo, a Piedade, no primeiro distrito, tornou-se um bairro-modelo. “Nossas obras são para pôr fim à dor de cabeça dos moradores com as enchentes. O pesadelo, finalmente, acabou”, declarou Renato. Nesta sexta-feira (01/10), o secretário Municipal de Infraestrutura, Marcos Pereira, esteve na Rua Vitória, uma das primeiras transversais da Estrada da Piedade, para fiscalizar o andamento das ações de colocação de meio-fio e preparação para o asfaltamento.

Todo o conjunto de obras no bairro deverá estar concluído até o fim do ano. É o que garantiu o secretário Pereira. “O trabalho da Infraestrutura quer proporcionar aos contribuintes de Magé uma melhor qualidade de vida”, assegurou. Na Rua Vitória, a Prefeitura já instalou 300 metros de rede de drenagem, com manilhas de 400 mm, e está colocando 600 metros de meio-fio. Ao todo, junto com a Rua Maria Quitéria, serão despejadas 600 toneladas de asfalto na Piedade. “Estivemos aqui perto, há meses atrás, para preparar quatro ruas e, agora, com nova força-tarefa e mais material, voltamos para dar prosseguimento com duas novas ruas”, disse Pereira.

Moradora da Piedade há mais de 30 anos, a aposentada Ângela Maria da Rocha, 68, juntou sua voz à do prefeito e disse que vai dormir melhor depois das obras: “Agora, vou deitar na cama e dormir despreocupada. Antes, eu nem descansava direito, imaginando a enchente invadindo o meu quintal”. O armador de obra Josimar Lucino, 34, contou que, com a chegada da rede de drenagem, as coisas melhoraram. “Antes, era muito ruim. Não tinha nada e era tudo sumidouro”, lembrou. A merendeira aposentada Vanete Lopes do Rosário, 62, lamentou que, antes da obra, precisava sair de casa com saco plástico nos pés quando chovia. “Hoje mesmo, olhei para a rua e falei para minha vizinha: está tudo muito bonito, uma graça”, comemorou.

Notícia anteriorMUNICÍPIO CONVOCA CONFERÊNCIA PARA DISCUTIR DIRETRIZES DA ONU PARA 2030
Próxima notíciaSAÚDE NO SEU BAIRRO LEVA ATENDIMENTO E INFORMAÇÃO PARA A BARBUDA