PROFESSORAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE MAGÉ GANHAM PRÊMIO PAULO FREIRE

Projetos agraciados contemplam educação antirracista e novo olhar para a pintura “Abaporu”

[responsivevoice_button voice="Brazilian Portuguese Female" buttontext="Ouvir"]

Duas atividades de ensino realizadas por professoras da rede municipal de Magé foram contempladas com um importante prêmio concedido pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj): o Prêmio Paulo Freire. Neste ano, ele foi entregue, na última segunda-feira (12/12), a 41 projetos inovadores na área da Educação em todo o estado. Representantes da cidade na cerimônia, que ocorreu na Capela Ecumênica da Uerj, no Maracanã, zona Norte do Rio, as professoras Jéssica Gralato e Rute Maria Júlio viram seus trabalhos tendo o merecido reconhecimento. “É a confirmação de que estamos no caminho certo de uma educação pública de qualidade”, ressaltou a secretária Municipal de Educação e Cultura de Magé, Sandra Ramaldo.

Jéssica, que é professora de Língua Portuguesa e leciona na Escola Municipal Evanir da Silva Gago, recebeu o prêmio pelo projeto “Escrevivendo com Conceição Evaristo – Rumo a uma Educação Antirracista”. “Foi muito gratificante! Receber o prêmio junto das minhas diretoras e ser acompanhada de longe, por meio da internet e das mídias sociais, por meus alunos que torceram por mim significa que escolhi a profissão correta”, declarou. Já Rute é professora da Escola Municipal Paulo Freire, que tem o mesmo nome do renomado educador brasileiro que também serviu de inspiração para o prêmio da Alerj. “Esse prêmio é a confirmação do que Paulo Freire falou: a Educação transforma as pessoas. Sou prova viva disso, pois saí da roça para virar mestranda em uma das maiores instituições de pesquisa do país, a FioCruz”, disse.

O projeto de Jéssica Gralato foi um dos cinco premiados na categoria “Experiência Pedagógica no Ensino Fundamental”. O de Rute, que se chamou “A Divulgação Científica: Inclusão da Entomologia na Obra ‘Abaporu’”, um dos três agraciados com a honraria na modalidade “Experiência Pedagógica na Área de Ciência e Tecnologia”. Ao todo, foram 11 categorias promovidas por profissionais de Educação de escolas e universidades. Desde a sua criação, em 2018, 107 trabalhos já haviam recebido o Prêmio Paulo Freire. Na sua terceira edição, cerca de 200 projetos foram inscritos e analisados por uma banca especializada reunida pela Comissão de Educação do Legislativo fluminense.

Notícia anteriorMAGÉ VAI TRIPLICAR A ENTREGA DO KIT NATALIDADE EM 2023
Próxima notíciaMAGÉ OFICIALIZA COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA GESTÃO DE RECURSOS FEDERAIS