ESPOROTRICOSE: ESPECIALISTA ALERTA SOBRE EPIDEMIA SILENCIOSA TRANSMITIDA POR GATOS

Em Magé, a Prefeitura oferece programa com diagnóstico e tratamento gratuito

Setembro é o mês que apresenta aumento no número de novos casos de Esporotricose entre os moradores de Magé, de acordo com dados de observação da equipe técnica do Programa de Hanseníase, Tuberculose e Esporotricose da Secretaria Municipal de Saúde.

A doença é grave e pode levar à morte, diz Weima Peçanha, coordenadora do Programa. “Se a doença não for tratada, pode evoluir e surgir sintomas mais graves, como febres, dores intensas e aumento das lesões. E pode começar a afetar os órgãos internos, levando o paciente a internação e até a morte”, reforça.

Gatos com lesões nos membros e focinho, podem estar infectados e transmitem a doença aos humanos, o que pode ocorrer de forma direta como um arranhão, ou indireta, como o contato com uma superfície contaminada, alerta o especialista Marcus Vinícius Teixeira, que é técnico do Ministério da Saúde e atua no polo de tratamento de Magé.

“O problema, em geral, ocorre quando as pessoas se ferem em áreas de terra infectadas por feridas de gatos contaminados, um corte por espinhos de uma planta ou em lascas de madeiras nestes locais, por exemplo. Também ocorre se o humano for arranhado ou mordido por um animal doente. Demora alguns dias até a doença começar a aparecer em quem se infeccionou. Curiosamente, os humanos não transmitem a doença, uma pessoa com esporotricose não contamina outra”, esclarece.

Mônica Alves Pereira, 46 anos, sofreu até receber o diagnóstico. “Surgiram feridas no meu gato e tratei com antibióticos, mas não adiantou. Surgiram três caroços no meu braço que coçavam, mas não associei ao problema do gato, que foi piorando, perdendo partes do corpo. Quando ele morreu, um desses caroços virou uma ferida. Fui em três médicos e cada um me informou uma causa diferente para meu problema: que eu fui mordida por uma aranha, que era herpes. Comprei remédios caros para herpes e a ferida só aumentava. Começou a infeccionar, a arder e a doer muito, o tempo todo. Não podia nem levantar o braço. Evitava sair de casa porque saía muita secreção”, descreveu a moradora de Suruí que finalmente conseguiu o diagnóstico correto e está em tratamento há três meses, depois que recebeu a indicação do quarto médico.

“Assim que eu soube que existia, fui logo procurar este polo. Fui muito bem atendida. Sempre me dão os remédios e o material para os curativos que preciso fazer. Os membros da equipe me explicaram como é a doença e que não tem risco de contaminar outras pessoas, porque fiquei sem ver meu pai, com medo de passar para ele. Agora a ferida diminuiu bastante, não solta mais secreção e não sinto mais dor. Preciso continuar vindo, pelo menos até a ferida fechar e não pretendo faltar nenhuma consulta”, relatou a paciente.

Tratamento gratuito em Magé

De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, a incidência da doença na Região Metropolitana do Rio de Janeiro é alta e constante desde 1998, já sendo considerada uma epidemia que quase ninguém conhece. Magé é um dos raros municípios do estado do Rio que oferece diagnóstico e tratamento gratuito para pacientes com Esporotricose.

“As pessoas que possuem lesões deste tipo, principalmente se possuem gatos, devem nos procurar o mais rápido possível. Seguindo o tratamento, que é simples, o paciente se cura em mais de 90% dos casos”, convoca Weima.

Toda segunda-feira, a partir das 8h, são atendidos os pacientes com suspeita, sem necessidade de agendamento de consulta. Todo o tratamento é gratuito, com consultas periódicas até o final do tratamento, incluindo exames, medicamentos e material para curativos.

De acordo com Marcus, o polo pretende realizar um treinamento com todos os agentes comunitários de saúde do município para identificar a doença em gatos e humanos em suas visitas domiciliares e indicar como fazer o tratamento. O Polo de Atendimento fica ao lado do Centro de Especialidades de Magé, na Rua dos Expedicionários, 39, Primeiro Distrito. Ele conta com uma equipe multidisciplinar que conta com médico, enfermeiro, assistente social, farmacêutico e nutricionista, que oferecem um olhar diferenciado para cada caso. Todo o tratamento dura de três meses a um ano.

Fotos: Phelipe Santos

Notícia anteriorRUA CABO FRIO É A PRIMEIRA PAVIMENTAÇÃO COM PARALELEPÍPEDO DO NOVO GOVERNO
Próxima notíciaPREFEITURA FORMA 73 CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM AGENTES MIRINS DA DEFESA CIVIL