MOSTRA CULTURAL NO QUILOMBO DO FEITAL EXALTA ARTESANATO COM TABOA

É com a taboa, capim que nasce em áreas alagadas, que os quilombolas do Feital, na Piedade, produzem bolsas, tapetes, cestos e outros objetos de decoração. Para promover uma das fontes de renda do quilombo, que é o artesanato, a instituição, em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro (SECEC-RJ) e com a Prefeitura de Magé, realizaram no último domingo (17) a Mostra Cultural da Taboa. O evento teve a venda de artigos, oficinas, música, exposição de bonecas e espaço de empoderamento feminino, com trancismo e design de sobrancelhas.

Segundo Valdirene Couto, representante do Feital, o artesanato em taboa é uma tradição centenária da família do quilombo da Piedade. “Ganhamos um edital da SECEC-RJ para os povos tradicionais e decidimos montar esse evento para mostrar o artesanato com taboa que é uma tradição centenária. Minha avó materna (D. Maria de Lourdes) ensinou para minha mãe (D.Almirena) e minha tia Marilza, agora elas são multiplicadoras do trabalho em taboa, porque meu irmão Valdenir, minha prima Fernanda e algumas crianças do quilombo já estão fazendo seus primeiros artesanatos”, explica.

Magé tem três quilombos certificados pela Fundação Palmares (Maria Conga, Feital e Quilombá) e uma história com sólida participação da população negra e da indígena, na qual muitos rios e ruas da cidade foram batizados com nomes comuns da linguagem desses povos. Sinônimo da resistência negra, os quilombos são historicamente locais onde os escravos se refugiavam, e se tornavam base do resgate e manutenção das tradições africanas.

“A Prefeitura colaborou com auxílio técnico de produção cultural e artística, além da estrutura de som. É extremamente importante que a Secretaria de Educação e Cultura, através do Departamento de Cultura, apoie esse tipo de evento, porque é papel do poder público fortalecer e preservar a cultura. Estar alinhado com os grupos culturais de Magé é importante para que isso contribua com a geração de renda, produção de saberes e até mesmo para fomentar a economia local”, reforça Victor Hugo Machado, diretor do Departamento de Cultura de Magé.

Fotos: Eduardo Campos

Notícia anteriorGUARDA MUNICIPAL FORMA 15 NOVOS AGENTES PARA PATRULHAR AS RUAS DE MAGÉ
Próxima notíciaPREFEITURA MULTA EMPRESA DE ÔNIBUS EM R$ 39 mil EM MAGÉ