ESTADO CONFIRMA 1° LUGAR DE MAGÉ NA VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE AFTOSA

Município imunizou 100% do rebanho nas duas etapas da campanha em 2021

Somando as duas etapas da campanha de vacinação contra a febre aftosa, em maio e dezembro de 2021, Magé ficou em 1° lugar entre os 92 municípios fluminenses ao imunizar 100% dos animais criados em propriedades rurais da cidade e que têm direito a receber a vacina de forma gratuita pelo município. O excelente desempenho está no relatório final da imunização contra a doença da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, divulgado nesta segunda-feira (14-02).

Para o secretário municipal de Agricultura Sustentável, André Castilho, Magé imunizou até mesmo o gado que não estava no cadastro do Estado.

“Sabendo a importância da vacinação, colocamos três equipes para vacinar todo o rebanho até mesmo de madrugada em acordo com os produtores. A gente foi até nas propriedades novas que não faziam parte no cadastro estadual, ou seja, a gente atendeu todo o cadastro que o Estado já tinha de cerca de 140 pequenas propriedades e os produtores que a gente localizou a mais. Enfim, a gente percorreu o município de ponta a ponta, num verdadeiro trabalho de peregrinação, o qual parabenizo ao governo municipal e a todos os nossos veterinários envolvidos”, destacou o secretário.

Na 1ª etapa da vacinação contra a febre aftosa, Magé ofereceu a vacina e os vacinadores para criadores de 3.962 animais de todas as idades; e na 2ª, outros 2.272 de até 2 anos. A Secretaria Municipal de Agricultura também auxiliou grandes criadores de gado e de búfalos, donos de outros 5 mil animais, na aplicação da vacina comprada pelos empresários.

A febre aftosa é uma doença viral altamente contagiosa que afeta gado bovino, búfalos, caprinos, ovinos e suínos. Os sintomas são febre e aparecimento de vesículas (aftas), principalmente na boca e pés dos animais. O vírus está presente nas aftas, além do sangue, saliva, leite, urina e fezes dos animais, podendo ser contraído por contato direto com outros animais infectados, alimentos e objetos contaminados, como mãos, roupas, calçados e veículos.

O registro de único novo caso compromete todo o rebanho do Estado, ou seja, nenhuma carne pode ser comercializada dentro e para fora do território do Rio de Janeiro se houver algum registro de animal contaminado com a doença.

“Parabenizo ao prefeito Renato Cozzolino, ao secretário André Castilho e aos produtores de Magé pelo expressivo resultado. Isto mostra que não é algo perene, aleatório, é resultado de um trabalho que vem sendo feito com muita substância. É muito importante bater a meta de vacinação no Estado porque em breve podemos ficar livres da vacinação contra a febre aftosa, o que gerará economia do ponto de vista prático para os cofres públicos mas também a entrada da carne do Estado no mercado internacional”, disse o secretário estadual de Agricultura, Marcelo Queiroz.

Fotos: Lucas Santos

Notícia anteriorBLITZ EDUCATIVA EM PIABETÁ ORIENTA MOTORISTAS SOBRE SEGURANÇA NO TRÂNSITO
Próxima notíciaNOVOS GUARDAS AMBIENTAIS REFORÇAM EQUIPE DE FISCALIZAÇÃO EM MAGÉ