DIA DA MULHER: ELAS PÕEM A MÃO NA MASSA E DÃO CONTA DO TRABALHO PESADO EM MAGÉ

Deise Meri comanda as obras no distrito de Santo Aleixo. Há 22 anos, ela largou o comércio para se dedicar a esta profissão (FOTO: Phelipe Santos)

Jane, Deise e Queylla são funcionárias da Secretaria de Infraestrutura e cuidam de ruas, praças, postes e prédios públicos

Respeito e mais oportunidades. Essas são as palavras reforçadas pelas três mulheres que, todos os dias, tomam as ruas de Magé executando serviços pesados como algumas das funcionárias da Secretaria Municipal de Infraestrutura. Jane é eletricista de alta tensão. Deise toma conta das obras no distrito de Santo Aleixo. E Queylla deixa as ruas da Vila Nova um brinco. No Dia Internacional da Mulher, elas contam o que passam e passaram para chegar até os dias de hoje. São relatos de superação, resiliência e força de vontade, que demonstram que lugar de mulher é mesmo onde ela quiser, inclusive na obra.

Jane Sanches Teixeira, 45, tem três filhos e uma jornada tripla de trabalho. De dia, ela faz a limpeza em um supermercado. No intervalo entre um emprego e outro, cuida da casa onde ainda mora com seu filho caçula de 15 anos. De noite, é hora da transformação e ela se torna a Jane Eletricista. Única mulher da equipe de eletricistas de Magé, Jane, costumeiramente, é vista no alto dos postes dando um trato na iluminação pública. “No começo, a equipe me olhou com certa desconfiança. Agora, eu sou o xodó deles. Só falta me colocarem no colo”, alegra-se. Determinada, ela pretende concluir o ensino médio para ir mais longe na profissão. “O que ainda falta para mulheres nesse ramo são as oportunidades de trabalho”, acredita.

Quem circula pelas ruas de Santo Aleixo já deve ter esbarrado com a Deise Meri Rocha da Silva, 49. Ela passa os dias se deslocando de bicicleta entre uma frente de obras e outra para ver como estão as coisas no serviço. Deise é a encarregada pelas obras no segundo distrito e comanda um grupo que pode chegar a 30 homens (no setor privado, ela comandou 200 homens). E, assim, lá se vão 22 anos desde que a filha de Magé largou um emprego no comércio para fazer curso de solda. “Minha vida nunca foi fácil. Tive problemas para achar trabalho de solda, até que fiz outro curso de pintura industrial e fui trabalhar numa plataforma de petróleo em Angra dos Reis”, lembra. Na Prefeitura, ela está há mais de quatro anos construindo e mantendo praças, ruas e prédios públicos do município.

Varrição

Unhas bem pintadas indicam que Queylla Bruna Aleixo, 28, não esquece da vaidade quando está varrendo as ruas de Vila Nova, no Centro de Magé. Junto com a amiga Cidmar de Oliveira Correia, 51, ela percorre de três a quatro vias por dia, debaixo de sol e de chuva, para deixar a cidade limpa. Mesmo assim, costuma passar por constrangimentos. “Já negaram água para a gente beber. De vez em quando, passa um engraçadinho no carro e mexe com a gente”, afirma. Isso, no entanto, não a faz fraquejar. Queylla acredita que, para o serviço que realiza, a mulher é mais capaz por ter mais cuidado e capricho. O mesmo pensamento expresso por Deise quando o assunto é obra: “A mulher é mais detalhista. Tem mais cuidado para fazer um acabamento melhor”.

Em outro ponto, as duas também concordam: falta mais respeito para a mulher avançar em conquistas na sociedade moderna. “A mulher ainda está muito desvalorizada, haja vista os casos de violência doméstica que ocorrem a toda hora”, diz Deise. “Acho que as pessoas ainda sentem as mulheres como um sexo frágil e, por isso, falta respeito. Muita gente pensa que a mulher não tem capacidade para lidar com serviços pesados, mas não é verdade. Olha nós aqui”, reforça Queylla.

Notícia anteriorEDUCAÇÃO DE MAGÉ INICIA ANO LETIVO 2021 A PARTIR DE SEGUNDA (8)
Próxima notíciaMAGÉ REALIZA SEMANA DO EMPREENDEDOR ATÉ A PRÓXIMA SEXTA (12)